14°C
Erechim,RS
Previsão completa
0°C
Erechim,RS
Previsão completa

Publicidade

Mundo

OMS: risco de pegar covid-19 em aviões é 'muito baixo', mas não zero

Estudos mostram número pequeno de casos

teste
Estudos mostram número pequeno de casos
Por Agência Brasil
Foto Reuters

O risco de a covid-19 se disseminar em voos parece ser "muito baixo", mas não pode ser descartado, apesar de estudos só mostrarem um número pequeno de casos, disse a Organização Mundial da Saúde (OMS).

"A transmissão em voo é possível, mas o risco parece ser muito baixo, dado o volume de viajantes e o número pequeno de relatos de casos. O fato de que a transmissão não é amplamente documentada na literatura publicada não significa, porém, que não acontece", afirmou a OMS em comunicado à Reuters.

Estudo do Departamento de Defesa dos Estados Unidos descreveu, na semana passada, a probabilidade de se contrair a doença em aeronaves comerciais como "muito baixa".

Mas algumas empresas aéreas usaram linguagem mais vigorosa para descrever o risco da transmissão em voo. Southwest Airlines e United Airlines disseram que estudos recentes mostraram que o risco é "virtualmente inexistente".

A Southwest, uma das poucas empresas aéreas que atualmente mantêm o assento do meio desocupado, disse nessa quinta-feira que, à luz da pesquisa, revogará a interdição desses assentos.

No dia 8 de outubro, a Associação Internacional de Transporte Aéreo (Iata) informou que só potenciais 44 casos de transmissão em voo foram identificados entre 1,2 bilhão de viajantes neste ano.

Leia também

  • O beijo do Papa

    Quando vi a foto do Papa Francisco beijando a tatuagem no braço de Lidia Maksymowicz, me arrepiei e um filme passou por minha cabeça, reforçando - ao menos internamente - que, ao optar por estudar o Holocausto, a partir de pesquisas, entrevistas e repetidas viagens para diversos países do globo, encontrei algo que me motiva a seguir

  • Não é preciso rei ou rainha, basta gestão comprometida com a ciência

    Lockdown, vacinação em massa e auxílio financeiro estão na chave do recente sucesso do Reino Unido no combate à covid-19 - que viu o número diário de mortos desabar de 1,3 mil para 36 em dois meses. A gaúcha Ananda Kuhn, que mora em Bristol, Inglaterra, conta como está a vida por lá

  • Nos 30 anos do Mercosul, Bolsonaro defende a modernização do bloco

    O bloco é formado por Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai

Publicidade

Blog dos Colunistas