14°C
Erechim,RS
Previsão completa
0°C
Erechim,RS
Previsão completa

Publicidade

Mundo

Leões são sacrificados no Chile para frear tentativa de suicídio

Os leões foram sacrificados para deter o ataque a um homem que tentou se suicidar entrando na jaula dos animais

teste
Leões Chile
Por Agência EFE''
Foto Divulgação

Dois leões do zoológico de Santiago, no Chile, foram sacrificados neste sábado para deter o ataque a um homem que tentou se suicidar entrando na jaula dos animais, informaram responsáveis pelo local.

Foram ativados os protocolos de segurança, que preveem que "quando está em risco a vida de uma pessoa, há que sacrificar a dos animais", disse a diretora do Zoológico Nacional do Chile, Alejandra Montalva, ao canal TVN.

"O suicida forçou sua entrada no recinto dos leões, tirou a roupa e começou a instigar os nossos animais", provocando a ação das autoridades, que tiveram que sacrificar os leões.

Montalva explicou que, nesses casos, os analgésicos são insuficientes para frear o ataque a tempo.

O homem de entre 20 e 30 anos foi levado a um centro de saúde com ferimentos graves e em risco de vida, em meio à comoção do público do zoológico, que neste sábado foi intensificado por um feriado local.

"Estamos muito consternados porque os animais do zoológico são parte da nossa família, são leões que estavam conosco há mais de 20 anos", acrescentou Montalva.

Os leões sacrificados eram um macho e uma fêmea de origem africana.

Leia também

  • De Três Arroios à Itália: da culinária aos costumes

    Crescida em Três Arroios, Bruna Gorete Mazzonetto, 33 anos, está morando na Itália desde janeiro de 2020. Ela se transferiu para frequentar um mestrado em Didática da Língua Italiana para Estrangeiros na cidade de Verona na região do Vêneto, e apresenta à reportagem a culinária e os costumes

  • Terremoto no Haiti: Imigrantes que moram em Erechim acompanham com preocupação a situação

    Com apoio de redes sociais e rádios locais buscam informações de familiares e amigos

  • O beijo do Papa

    Quando vi a foto do Papa Francisco beijando a tatuagem no braço de Lidia Maksymowicz, me arrepiei e um filme passou por minha cabeça, reforçando - ao menos internamente - que, ao optar por estudar o Holocausto, a partir de pesquisas, entrevistas e repetidas viagens para diversos países do globo, encontrei algo que me motiva a seguir

Publicidade

Blog dos Colunistas