0°C
Erechim,RS
Previsão completa

Publicidade

Especial

Tenha Fé e nunca desista dos seus sonhos

Rosana Trevisan Zorzi
Por Taiane do Carmo
Foto Arquivo pessoal

Filha de Edir Trevisan, Rosana Trevisan Zorzi, cresceu em uma família humilde, formada por três irmãs. Ana, Lígia e Rosana, a mais velha. Em uma época em que as mulheres eram consideradas “donas de casa” e seu pai, naquele tempo, não era presente na família, Edir, uma mulher guerreira e persistente, se viu obrigada a sair de sua rotina para sustentar as três filhas. “Ela foi uma pessoa excepcional, quando éramos crianças, com cinco, sete anos de idade e começamos a passar dificuldades, ela disse: ‘vou ser operária’ e começou a trabalhar em uma fábrica. Ela foi uma revolucionária na época, pela coragem, pela quietude, pela força e principalmente pela fé, foi com ela que eu aprendi a ter disciplina”, conta Rosana.

 

Rosana e Davide

Aos 18 anos de idade, Rosana também começou a trabalhar na mesma fábrica que sua mãe, e conheceu Davide Zorzi, na época um operário que acreditava no poder dos estudos. “Davide era uma pessoa além do tempo, ele conseguia ver infinitas possibilidades aonde não existiam. Ele foi vendedor de picolé na rodoviária, trabalhou com um pouco de tudo. Acreditava que o estudo poderia levar as pessoas além, um grande sonhador”, salienta Rosana.

 

O negócio 

Dois anos depois, com 20 anos, Rosana se casou com Davide e aos 21 engravidou do primeiro filho. Neste período, Davide, estava tentando montar uma empresa. “Não tínhamos salário, tinha muito medo, pois estava grávida, e o negócio não andava, começamos como todo negócio familiar, com um fundo de garantia, poucos recursos, muitos empréstimos. Lembro-me, que naquele tempo fomos para Caxias do Sul para comprar uma máquina porque ele acreditava que daria certo, ele sempre me dizia que não era para desistir do sonho, que iríamos conseguir”, diz. Naquele tempo, o equipamento custava 10x o valor do carro que Rosana e Davide possuíam.

Dificuldades

Passado um tempo, o negócio começou a andar e com isso nasceu o primeiro filho. “Nosso filho nasceu bem, e naquele tempo no 8ª mês de vida do bebê, depois de uma vacina no posto de saúde, uma hora depois ele estava sem vida. Essa foi a primeira grande decepção da minha trajetória, foi assim que perdemos nosso primeiro filho, Davide Júnior”, conta Rosana.

Momentos em que teve que superar a miséria, pobreza, dificuldades financeiras e ainda lidar com o emocional abalado. Rosana e Davide, continuaram vivendo um dia de cada vez. Buscaram forças, para não perderem a esperança do sonho e tiveram que ter persistência.

Um ano depois, Rosana estava grávida novamente, de William, hoje, com 30 anos de idade. Neste período, ela continuou estudando e nunca parou de trabalhar. Aos 23 anos engravidou do seu terceiro filho. “Quando estava no 7ª mês de gravidez, eu o perdi, a história se repetiu, novamente, sem razão específica, sem nada”, conta. Neste período, a empresa que Davide e Rosana estavam construindo, estava crescendo. Focada cada vez mais, agora o sonho, não era mais da família, já tinha perdido dois filhos, tiveram que unir forças para continuar e não desistir. “Neste momento, minha irmã Ana, a Lígia e meu cunhado, Ezídio, sempre estiveram comigo, me dando apoio, força para conseguir passar por tudo o que eu estava vivendo”, lembra Rosana.

Voltando a viver 

Já por volta dos anos 90, Rosana se tornou professora. “Foi um dos melhores momentos da minha vida, pois cada aluno que eu tive, foi um filho para mim, eu cuidei deles como se fossem meus, cada aluno foi como um quebra-cabeça que foi preenchendo a minha vida”, argumenta emocionada. 

Rosana trabalhou por muito tempo como professora e depois se aposentou. “Depois de 10 anos que eu havia perdido os dois filhos, ele me disse: ‘ Rosana, precisamos ter uma menina’, desacreditada, porque minha experiência não era muito positiva, sempre jogava um ano a mais, mas ele insistia”, salienta. 

Depois de um período de tratamento longo, Rosana conseguiu engravidar e para sua surpresa era uma menina. “Nathalí, esse foi o nome que eu escolhi para a menina dos olhos dele, ela nasceu próximo ao Natal, foi o nome perfeito para ela. Depois de um tempo, para completar, tivemos o Francisco. Eu perdi dois filhos, mas eu ganhei outros dois” afirma.

 

O acontecimento 

Em 2016, quando Rosana estava entrando em um período de tranquilidade, em uma manhã fria de quase 5°C, Davide levantou, fez alguns exercícios de pilates como de costume e tomou um banho para ir trabalhar. “Eu olhei para ele, antes de ele ir e disse ‘você parece um pandão’ por três vezes, e ele me disse: ‘pequeninha, vou te mostrar como se faz num frio de 5°C’, veio, me cobriu, me abraçou. Foi trabalhar e nunca mais voltou”, relembra Rosana. 


No ano de 2016, Zorzi teria sido atingido por uma máquina injetora de plástico com peso de mais de 17 toneladas quando auxiliava funcionários na remoção da máquina, ele foi deslocado ao hospital com vida, mas devido à gravidade dos ferimentos não resistiu.”

Um anjo da guarda 

Para Rosana, a luta de superação da perda de Davide Zorzi é todos dias. Neste período ela conheceu o seu anjo da guarda. Uma jovem chamada Marli Moretto que foi e ainda é seu porto seguro, juntamente com outras mulheres da família, que se dedicam ajudando umas as outras em todos os momentos de dificuldades. “Ela é tudo pra mim, por todos os dias que ela passou comigo até hoje, nestes 22 anos que estamos juntas, ela é uma amiga, compartilhou sua vida comigo. Temos uma união muito grande, ela compartilhou tudo na minha vida, fases, momentos bons, ruins, ela estava ali”, afirma.

A relação que Marli e Rosana possuem, de acordo com Zorzi, é um ciclo de família eterno, sem explicação. Depois de um tempo, Rosana voltou a estudar, e reviveu um sonho antigo, que era cursar psicologia, atualmente ele vai iniciar os estudos na Universidade Regional Integrada.

Com isso, a força, a garra, e principalmente a fé, instigaram também a Marli, voltar a estudar. “A energia boa contagia, a fé, tudo isso nos faz querer ajudar uma a outra, e uma coisa que eu aprendi na minha vida, fé, disciplina, dedicação e principalmente: Nunca desista do seu sonho” finaliza. 

Para completar essa semana do Dia da Mulher, Rosana se tornou avó e seu filho mais velho pai. Para ela é um presente, neste dia tão especial que é o dia da Mulher.

 

 

 

 

 

 

 

 

Publicidade

Blog dos Colunistas