14°C
Erechim,RS
Previsão completa
0°C
Erechim,RS
Previsão completa

Publicidade

Mundo

Natal no Japão e no Brasil

A técnica de enfermagem Sayuri Tanaki Pires nasceu no Brasil, e, filha de pai japonês, também já teve a oportunidade de morar no Japão

teste
Sayuri Tanaki Pires e sua família
Por Salus Loch
Foto Divulgação

A técnica de enfermagem Sayuri Tanaki Pires nasceu no Brasil, e, filha de pai japonês, também já teve a oportunidade de morar no Japão – o que lhe permitiu viver experiências – e Natais – diferentes em meio a ambas culturas. Confira essa incrível história:

“Minhas memórias me levam a 2007, véspera de Natal no Brasil e início de uma grande mudança em minha vida. Casa enfeitada, crianças ao redor e um sentimento um tanto confuso; eu deixaria tudo isso para ir ao Japão. Ao embarcar em Curitiba, o contato visual com símbolos natalinos me dava um aperto no peito, pois apesar de não ser cristã (sou budista) sempre mantive tradições e respeito por essa comemoração religiosa.

O voo transcorreu normal, como outros que já havia realizado no decorrer da juventude entre as minhas duas pátrias: Brasil, de nacionalidade, e Japão, de coração e descendência. A escla foi em Londres, também ornamentada em vermelho, verde e branco, comidas natalinas e canções e eu me sentindo ausente do meu meio familiar. Era 25 de dezembro e eu sobrevoava o monte Fuji, quando veio à mente o significado de Natal nascimento e renascimento, pois era esse o meu desejo dar um ‘start’ na minha vida pessoal e familiar.

Quando desembarquei em Narita, lembrei de natais anteriores já vividos no Nihon (Japão), onde prevalece o Natal comercial sem vínculo religioso (apenas 2% da população japonesa é cristã). No Japão, o Natal é um dia normal de trabalho, iguais aos dias comuns onde comemos o Christian cake (bolo de Natal) e kentaki (frangos empanados resquícios de uma tradição norte-americana). Alguns casais jovens de mentes abertas aproveitam também para comemorar o amor com troca de presentes nas ruas e hotéis do amor, onde podem usufruir de momentos românticos (não eróticos) exaltando carinho nada usual no decorrer do ano.

Durante o percurso do aeroporto até minha casa vi iluminações tradicionais dessa época (Ilumination), onde os nativos e estrangeiros apreciam frio e neve contrastando com as luzes coloridas em variadas formas e desenhos sempre munidos de câmeras fotográficas, casacos grossos e chocolate quente.

Chegando na região em que moraria pelos próximos 10 anos, observei um preparativo diferente, pois ao atravessar cidades com grande número de latinos, especialmente peruanos e brasileiros, via que, mesmo em um dia comum de trabalho, eles iam aos mercados brasileiros em busca da carne para o churrasco e o tradicional panetone.

Sem dúvida, foi um Natal diferente, cheio de saudades e anseios. Todavia, o ano passaria rápido – dedicado ao trabalho e a busca do visto para levar meu marido e filhas junto comigo para o Japão. Dou um salto, agora, para o Natal de2008. Lembro de decorações e o sentimento um pouco diferente naquele dia 12 de dezembro, quando vi minha família desembarcar no Japão, o que fez despertar um sentimento natalino de união e amor. Por mais que durante esse tempo estivéssemos em contato direto via telefone e internet, nada supera o contato físico.

Com isso poderíamos decorar a casa, trocar presentes e saborear o Christian cake juntos.

Desde então, preservo a data natalina como Renascimento, faço minhas orações, recito o NAN MYOHO RENGUE KYO Sutra do budismo DE NITIREN DAISHONIN. Entendo que é uma oportunidade para agradecer mais o que somos, independente da nacionalidade ou país em que vivemos; e é isso que tento fazer a cada dia, dando atenção aos que necessitam de um carinho, em especial os meus pacientes. FELIZ NATAL a todos”.

Leia também

  • De Três Arroios à Itália: da culinária aos costumes

    Crescida em Três Arroios, Bruna Gorete Mazzonetto, 33 anos, está morando na Itália desde janeiro de 2020. Ela se transferiu para frequentar um mestrado em Didática da Língua Italiana para Estrangeiros na cidade de Verona na região do Vêneto, e apresenta à reportagem a culinária e os costumes

  • Terremoto no Haiti: Imigrantes que moram em Erechim acompanham com preocupação a situação

    Com apoio de redes sociais e rádios locais buscam informações de familiares e amigos

  • O beijo do Papa

    Quando vi a foto do Papa Francisco beijando a tatuagem no braço de Lidia Maksymowicz, me arrepiei e um filme passou por minha cabeça, reforçando - ao menos internamente - que, ao optar por estudar o Holocausto, a partir de pesquisas, entrevistas e repetidas viagens para diversos países do globo, encontrei algo que me motiva a seguir

Publicidade

Blog dos Colunistas