25°C
Erechim,RS
Previsão completa
0°C
Erechim,RS
Previsão completa

Opinião

Memórias de Viagem: Itália- Terra de Origens (Parte VIII)

Região do Vêneto – Verona

teste
Marlei Klein
Por Marlei Klein
Foto Divulgação

“ Motoristas compulsivos são capazes de acelerar pelas estradas sem registrar uma única coisa observada no caminho. Mas, eu posso dar a volta no quarteirão onde moro e voltar com muitas histórias para contar”

Reminiscências

A Região do Vêneto, de onde chegaram muitos imigrantes italianos para o nosso sul, é de muita diversidade. Cidades junto às montanhas e vales. Lugares quase perdidos entre lagos e paredões, vilarejos como nos contos de fadas e cidades de muita importância. A natureza é muito preservada e assim se chega a lugares que parecem intocados. Muitas leis e regulamentos permitem limitar a invasão dos espaços naturais pela civilização moderna.

Região do Vêneto- Verona

É uma bela cidade que só desvenda seus encantos quando se atravessa as pontes sobre o Rio Adige e se chega ao coração da cidade velha. O Rio Adige nasce nas montanhas Dolomitas e atravessa encostas e vales e chega a Verona. Esta cidade do norte da Itália mergulha num clima romântico.

Rio Adige

Ele inicia em meio às montanhas alpinas no Alto-Adige. Segue seu passeio e chega, lá embaixo, passando por vilarejos. O Alto-Adige, região das montanhas italianas    é produtora dos melhores lácteos da Itália. Queijos, manteiga e iogurtes são os preferidos. Moradores descendentes de ancestrais, famílias continuam a realizar as mesmas tarefas de séculos. Lugares de cartão postal. Ali nasceram e vivem na solidão das montanhas. Nessa região dos Alpes, a vida é simples e repleta de tradições. Sua música e dança percorrem todo o país.

Verona- Terra de Romeu e Julieta

William Shakespeare, em sua obra de ficção, escolheu Verona como cenário do casal mais romântico da história da Literatura. ROMEU e JULIETA eram jovens namorados que morreram em decorrência da inimizade entre suas famílias, os Montecchio e os Capuletto. Funcionários da administração da cidade escolheram determinado “palazzo” do século XIV, com uma sacada, como residência fictícia da família Capuletto. Milhões de turistas e apaixonados vão até lá em busca do mesmo ar que os amantes criados por Shakespeare respiraram.

Todos querem conhecer a casa de Julieta, fica pertinho da Piazza delle Erbe, na Via Capello. Lá está a mansão gótica escolhida para representar a cena da peça escrita em 1594. No pátio, abaixo da sacada, são encontradas mensagens de amor escritas em todas as línguas. Uma estátua de Julieta de bronze está ali, em tamanho natural, a observar. Passar a mão no seio direito da mesma, que está reluzente - é uma tradição peculiar para a qual ninguém consegue dar uma explicação satisfatória.

Arena de Verona

Construída no primeiro século da era cristã. A temporada de espetáculos inicia no fim de junho e vai até início de setembro. Impecável anfiteatro romano localizado bem ao centro da cidade histórica. São 44 degraus onde o público coloca almofadas e senta para ASSISTIR A ÓPERAS. Em qualquer época, sempre há música ambiente relembrando as das muitas óperas apresentadas. A acústica perfeita sobreviveu aos séculos, fazendo desse palco um dos mais fascinantes para apresentações ao vivo – sem microfone.

Ópera Aída

Em 1913, foi apresentada pela primeira vez para comemorar os 100 anos do nascimento de Verdi, seu autor. Desde então, tem sido uma atração constante na programação anual. Os 20 000 ingressos para esse espetáculo são os mais disputados. Os lugares mais altos do anfiteatro são os mais baratos. Sempre ficará gravada na memória a preciosidade de ver a entrada de centenas de figurantes no palco durante a Marcha Triunfal de AÍDA.

Piazza Dei Dignori

É a mais bela praça de Verona. Sentar ao ar livre, no histórico Caffè Dante, vamos ter a mais bela vista das montanhas das vizinhanças. Para completar a pedida, um gostoso café acompanhado com os melhores doces folhados da Itália.

Igreja de São Francisco al Corso

De acordo com o romance ROMEU E JULIETA, os amantes casaram no seu claustro em 1302. Ali se encontra o túmulo de Julieta. Um lugar sempre encantado e emocionante. É fácil imaginar, para quem leu a obra, os momentos derradeiros da heroína. Catarina, a aia de Julieta, se questiona no verso do terceiro ato de Romeu E Julieta: “Que há num simples nome? O que chamamos rosa, com outro nome, não teria igual perfume? ”.

 Conclusão

Nascida na Itália na época de Renascimento, a ópera seduziu rapidamente um público maravilhado, que via nesses novos espetáculos uma transposição de seus sentimentos e paixões. No fim do século XVII, ela precedeu a criação, um século mais tarde, da ópera clássica. Aí temos o criador de AÍDA- Verdi - que prova a sua apresentação em todos os festivais de Verona. Mas, gênero esse que mostra que o perfil do público que assiste é reservado a uma elite. Claramente é a observação feita no Festival da Cidade. Em 1998, as vozes potentes de Luciano Pavaroti, Plácido Domingo e José Carreras se elevaram na magia das vozes da música e do espetáculo. Conquistaram interesse e fascinaram o grande público pela arte considerada difícil.

 

Publicidade

Blog dos Colunistas