14°C
Erechim,RS
Previsão completa
0°C
Erechim,RS
Previsão completa

Publicidade

Região

Equipe do CRAS de Viadutos chama atenção para o combate à violência contra o idoso

Junho violeta é celebrado como alerta para prevenção, dignidade e respeito para com a pessoa idosa

teste
Equipe do CRAS de Viadutos, realiza durante todo o mês de junho, ações preventivas e informativas
Por Ragnara Zago
Foto Divulgação

No dia 15 de junho é celebrado o Dia Mundial de Conscientização Conta a Pessoa Idosa. Mais do que um único dia, a data alusiva evidencia o quanto o assunto precisa ser lembrado sempre, e alerta àqueles que passam por essas determinadas situações a denunciarem.

A equipe do Centro de Referência em Assistência Social (CRAS) de Viadutos, realiza durante todo o mês de junho, ações preventivas e informativas, para prevenir situações de violência contra os idosos, que necessitam apenas do nosso carinho e atenção. Confira a entrevista concedida ao Jornal Bom Dia:

 

Quais medidas serão adotadas sobre a conscientização de combate à violência contra idosos?

Durante todo o mês de junho a Secretaria de Assistência Social, através do Centro de Referência de Assistência de Assistência Social - CRAS de Viadutos, com o apoio da Administração Municipal, iniciaram a Campanha Violetas contra a Violência, fazendo alusão ao Junho Violeta que é o Mês de Conscientização e Combate à Violência contra a Pessoa Idosa.

              Está sendo realizada aos idosos acompanhados pela equipe técnica do CRAS visitas domiciliares (seguindo todos os protocolos de segurança da COVID-19) levando um material informativo, contendo os tipos de violência, como identificar, onde procurar ajuda e os canais de denúncia, além disso, os idosos estão sendo agraciados com uma violeta que é o símbolo de nossa campanha.

              Outro recurso, utilizado para levar informação à população é através de entrevistas nas rádios da cidade onde as profissionais do CRAS estão divulgando a campanha. Mais uma alternativa utilizada para chamar atenção ao tema e para a campanha é a circulação de um carro de som em diferentes dias, com o intuito de incentivar a sociedade a denunciar os casos de violência.

 

Qual a importância de tratar sobre esse assunto com a comunidade?

Ações como esta levam orientação e informação à comunidade para conscientizar que o idoso merece um envelhecimento saudável, tranquilo e digno.  Ainda mais neste momento tão delicado de pandemia que estamos vivendo onde os dados do Disque 100 nos mostram que a violência aumentou significativamente. Só no primeiro semestre deste ano, mais de 33,6 mil casos de violações de direitos humanos foram registrados contra o idoso no país.

            É necessário falar sobre o assunto, principalmente com nossos idosos, pois muitas vezes eles sequer sabem que estão sendo vitimas de violência. Assim, a partir da tomada de consciência a cerca da violação de seus direitos espera-se que os idosos se empoderem a buscar ajuda ou ainda que a própria sociedade denuncie.

O maior objetivo da nossa campanha Violetas contra Violência é que a população não se cale, pois é a partir das denúncias que poderemos garantir a segurança de idosos e a punição daqueles que a cometem.

 

Qual o papel do CRAS em promover campanhas em datas alusivas sobre conscientização como esta?

            O CRAS tem como objetivo trabalhar de forma preventiva conteúdos que dizem respeito à garantia de direitos das populações mais vulneráveis. Assim, falar dos diferentes tipos de violência promove a consciência da comunidade de que ela existe, e pode ser evitada ou ainda ser denunciada e punida, sendo assim, permitindo que sociedade seja a autora do rompimento desse ciclo.

 

Vocês acreditam que estes assuntos repercutem pela comunidade?

            Sim. Após a entrevista na rádio que concedemos na última quarta-feira (16), falando sobre o Junho Violeta e nas visitas que estamos fazendo a casa dos idosos, tivemos muitos retornos. Citamos por exemplo, a violência financeira, onde muitos idosos não têm autonomia sobre a gestão da sua aposentadoria, pois algumas famílias fazem uso do dinheiro do idoso, sem o seu consentimento. Ou ainda, bem presente por uma questão cultural, é o idoso ser cuidado apenas por um filho, aquele que “herdou” mais terras, ou aquele que vai “ficar” com a casa ou dinheiro por cuidar dos pais, mas cabe salientar que a responsabilidade é de todos os filhos igualmente, porém na prática nem sempre é assim que acontece.

            Por fim, você que está lendo, acha que passa por alguma situação de violência ou conhece alguém que esteja passando por isso, DENÚNCIE, procure o CRAS de sua cidade, o CREAS, a Delegacia de Polícia ou Disque 100! Lembre-se, seu silêncio é maior que a violência!

Leia também

Publicidade

Blog dos Colunistas