Publicidade

Erechim

Mais que pai, um amigo

Quando faltam palavras para descrever a admiração pelo patriarca da família Tonial, o olhar carinhoso de Miriam ao falar do pai, explica tudo

Honório e Miriam
Por Najaska Martins - najaska@jornalbomdia.com.br
Foto Divulgação/ Arquivo Pessoal

Quando faltam palavras para descrever a admiração pelo patriarca da família Tonial, o olhar carinhoso de Miriam ao falar do pai, explica tudo

 “Um homem culto, cheio de perspicácia, com uma força de vida admirável. Um grande incentivador e exemplo de ser humano”. As palavras da professora Miriam Tonial descrevem seu melhor amigo. Com o olhar distante passando a impressão de imaginá-lo enquanto fala, ela ainda complementa com mais características: “inteligente, disposto, afetuoso e, principalmente, um grande motivador...”. Apesar de buscar mais adjetivos na tentativa de demonstrar os motivos que fazem de seu pai, Honório Tonial, um ser especial, ela parece frustrada ao não encontrar expressões suficientemente grandiosas para descrevê-lo. Entretanto, mal sabe ela que basta sua alegria e emoção ao mencioná-lo para perceber o tamanho de sua admiração.

Gêmea e uma das caçulas de uma família de oito filhos, Miriam, assim como seus irmãos, se inspira no pai quando se trata do modo como leva sua vida. No caso dela em especial, não é à toa a escolha por seguir carreira na mesma área de seu progenitor: o magistério. “Sem dúvida alguma a escolha da minha profissão tem relação com o incentivo que recebi dos meus pais, em especial dele. A forma como ele sempre me instigou a buscar o ensino, a acreditar na transformação das pessoas foi essencial na minha decisão”, pontua.

Mais que na escolha profissional, seu Honório, aos mais de 90 anos de idade continua sendo espelho para Miriam. “Tudo que aprendemos e ainda seguimos aprendendo com ele só nos motiva a admirá-lo ainda mais. Como sou a caçula, tenho uma relação mais próxima tanto com ele quanto com minha mãe. Não passo um dia sequer sem vê-los, sem conversar com eles. É uma necessidade imensa poder estar perto, abraçá-los, conversar sobre os mais diversos assuntos. Com ele, em especial, não é apenas uma convivência entre pai e filha, mas uma relação de amizade e principalmente de gratidão da minha parte”, explica a professora.

Ao falar de seu Honório, Miriam demonstra não apenas em suas palavras, mas também em seu semblante o orgulho que sente pelo pai. “Ele é um lutador, uma pessoa que eu admiro com todas as minhas forças. Mesmo que não fosse meu pai, ainda assim seria alguém por quem eu teria a mais profunda admiração. Não à toa, ele é um exemplo para a família e para muitas pessoas que convivem com ele”, destaca. Escritor, professor e grande estudioso da língua Talian, seu Honório também é espelho para os netos e bisnetos. “De modo geral, o amor que ele tem por toda a família é o que nos une”, completa a filha.

Neste domingo, data em que se comemora o Dia dos Pais, Miriam adianta que não fará nada muito diferente do que já faz desde que chegou ao mundo. “Estarei com meu pai, demonstrando o quanto o amo, cheia de gratidão por ainda tê-lo comigo, conversando e aprendendo com ele. A data é sim especial, mas me orgulho por fazer algo que todos os filhos deveriam fazer: mostrar ao meu pai o quanto ele é especial sempre que posso, não apenas nesta data. Estarei junto dele e da minha mãe, abraçando-os e demonstrando meu amor. Assim será enquanto Deus me permitir”, finaliza.

 

Publicidade

Blog dos Colunistas