12°C
Erechim,RS
Previsão completa
0°C
Erechim,RS
Previsão completa

Publicidade

Estado

“Se confirmarmos redução de contágio, podemos avaliar a retomada da cogestão”, explica Leite em vídeo

Em vídeo, Leite esclarece dúvidas sobre os próximos passos que serão tomados com relação ao enfrentamento da pandemia

teste
Divulgação
Por Secom RS
Foto Divulgação / Reprodução

O Palácio Piratini publicou, nesta quarta-feira (17/3) à tarde, um vídeo no qual o governador Eduardo Leite esclarece algumas dúvidas sobre os próximos passos que serão tomados com relação ao enfrentamento da pandemia no Rio Grande do Sul.

Desde o registro do primeiro caso de coronavírus no Estado, em 10 de março de 2020, o Executivo vem analisando uma série de indicadores para mensurar a situação da doença. Na terça-feira (16/3), houve registro de 502 mortes confirmadas pela doença, a maioria entre domingo (14/3) e segunda-feira (15/3).

“É um indicador que nos choca e nos sensibiliza. Assistir ao registro de 500 mortes certamente toca qualquer ser humano que preza pela vida, mas existem outros tantos indicadores que precisam ser analisados, e o indicador que demonstra pressão na capacidade hospitalar começa a ceder fortemente”, ponderou o governador.

Depois de ter atingido um aumento de, em média, 350 leitos a mais por dia em fevereiro, o número retrocedeu para cerca de 16 leitos a mais por dia. Além disso, a taxa de transmissão verificada em meados de fevereiro estava em torno de 2,35 e, agora, gira em torno de 1,4. A queda nesses indicadores é um reflexo das duas semanas e meia de restrições mais severas adotadas pelo Estado para frear o contágio e a disseminação do vírus, que incluiu a suspensão da cogestão regional e de atividades entre 20h e 5h.

“Parte das pessoas que ainda estão internadas infelizmente não resistirá, então, veremos um crescimento no número de óbitos nas próximas semanas, mas os dados da demanda de internações já demonstram a redução da circulação do vírus”, explicou Leite.

Ciente de que o fôlego da população, no quesito econômico, é limitado, o governo do Estado estuda o retorno da cogestão regional a partir do dia 22 de março, caso os indicadores confirmem, ao longo desta semana, a redução efetiva do contágio e da demanda hospitalar.

“Se confirmarmos esse movimento, poderemos avaliar a retomada da cogestão, mantendo medidas extraordinárias de restrição, como a suspensão geral de atividades entre 20h e 5h aos finais de semana e intensa fiscalização contra aglomerações”, destacou Leite.

O governador já adiantou que a previsão é de que o Estado fique em bandeira preta, que representa risco altíssimo no modelo de Distanciamento Controlado, pelas próximas semanas. “A bandeira preta serve para alertar a população a respeito desse risco altíssimo que ainda vemos na nossa capacidade hospitalar. Ou seja, quem se contaminar neste momento ainda vai encontrar um sistema hospitalar bastante comprometido”, ressaltou.

Por isso, entende o governador, o Estado mantém o alerta de risco altíssimo. Caso a redução do contágio se confirme, o governo dá a oportunidade aos municípios, desde que se reúnam regionalmente, de fazerem eventuais adaptações aos protocolos de bandeira preta, até o limite da bandeira vermelha.

“A bandeira anterior – neste caso, a bandeira vermelha – é um limite de onde não podem passar no relaxamento de restrições, mas a cogestão não significa que estão obrigados a automaticamente adotar protocolos de bandeira vermelha. Os municípios podem adotar regras mais rígidas, e podem continuar com bandeira preta, se assim desejarem”, explicou Leite.

O retorno da cogestão regional ainda será debatido em reunião do Gabinete de Crise, prevista para quinta-feira (18/3), e em reunião com a Federação das Associações de Municípios do Rio Grande do Sul (Famurs) e com representantes de associações regionais, que deve ocorrer na tarde de sexta-feira (19/3).

Publicidade

Blog dos Colunistas