0°C
Erechim,RS
Previsão completa

Publicidade

Erechim 100 anos

Restaurante Natural: A necessidade que se transforma em oportunidade negócio

Marcos Vinícius de Quadros, Niclaide Confortin de Quadros, Anildo de Quadros, Sirlei Gazzoni e o men
IMG_5090.JPG
IMG_5100.JPG
IMG_5104.JPG
IMG_5105.JPG
Por Edson Castro
Foto Rodrigo Finardi

Empresários trocam a lavoura por negócio na cidade para ajudar filhos e criam empresa de sucesso. Na foto Marcos Vinícius de Quadros, Niclaide Confortin de Quadros, Anildo de Quadros, Sirlei Gazzoni e o menino Frederico Luiz de Quadros

 

Quando os filhos começam a sair de casa, sempre há uma preocupação extra para os pais. Quando o filho precisa estudar e trabalhar ao mesmo tempo e ainda tem a necessidade de receber uma “mãozinha” dos pais, isso pode se transformar numa excelente oportunidade de negócios.

Foi o que aconteceu com a família De Quadros, em Erechim. Em meados da década de 1990, o filho Tiago deixou a casa dos pais, dona Niclaide Confortin de Quadros, conhecida carinhosamente como Neca, e seu Anildo Pereira de Quadros. O filho veio à cidade, em busca de oportunidades de estudo e trabalho.

Hoje, emocionados, os pais lembram das dificuldades da época. “Tínhamos pouco dinheiro, trabalhávamos na roça, tudo o que queríamos era poder ter recursos financeiros para dar estudo a nossos filhos. O Tiago veio para a cidade, e passou a trabalhar em um restaurante, ao meio dia, como forma de garantir alimentação, entre estudos e outro trabalho. Com o passar dos meses, ele viu ser colocado a venda o restaurante e sugeriu que a gente comprasse”, lembra Neca.

O desejo do filho era por questão de necessidade. “Mas como comprar? Não tínhamos dinheiro para isso. Foi então que um dia ouvi um anúncio no rádio, de que uma revenda de carros estava comercializando os veículos em 36 vezes, sem entrada. Ai veio o estalo. Naquele dia, decidimos que poderíamos comprar o carro e dar no negócio, enquanto que pagaríamos as prestações. Embora não fosse exatamente desta maneira, pouco depois conseguimos adquirir o veículo, dando como entrada o único carro que tínhamos, mais velho claro, e fechamos a compra do restaurante”, explica a proprietária.

Nascia ali uma empresa de enorme sucesso e reconhecimento, o Restaurante Natural. “Eu quis comprar o restaurante, primeiro para ajudar nossos filhos. Depois porque quando conheci a estrutura que estava a venda, notei que se tratava de uma clientela educada, respeitosa e estes valores sempre trouxemos conosco”, conta Neca.

Hoje o restaurante, que antes ficava em um prédio que foi demolido para a construção da atual Pittol Calçados, fica na mesma Torres Gonçalves, só que na quadra de baixo, no número 278. Embora a mudança fosse feita por questão de necessidade, não foi fácil para a família vir para o novo local. “Naquela época, parecia que ir para quadra de baixo, a segunda quadra da rua, não seria um bom negócio, não parecia centro da cidade”, contam os proprietários.

Mas foi e segue sendo ali, que servir comidas com diferencial em busca de uma alimentação saudável, transformaria a vida da família. Os filhos, além de Tiago, também Marcos e Lucas, sempre ajudaram os pais, como garçons e em outras atividades.

A família aos poucos foi deixando a lavoura e se dedicando somente ao restaurante. Os filhos, hoje estão formados, como era o desejo de dona Neca e seu Anildo. “Foram muito anos de superação. Lembro que quando começamos, tínhamos uma VW Brasília emprestada para poder se locomover, já que no início, a gente continuava residindo na colônia (KM 7 – Corsan). Depois compramos um VW Fusca, que era tão velho, que não tinha uma parte do assoalho. Mas nunca desistimos, persistimos e graças ao esforço de todos, conseguimos vencer”, conta dona Neca.

O Restaurante Natural traz no nome sua essência de negócio. “Sempre quisemos servir aos nossos clientes uma comida de qualidade, o mais natural possível, para que todos pudessem desfrutar de saúde ao se alimentar. Nossa vida é uma só, precisamos cuidar muito bem dela”, destaca a proprietária.

“Alimentar bem as pessoas, fazer com que elas se sintam bem em nossa casa e levem consigo uma energia muito positiva, estes são os objetivos de nosso trabalho”, frisa Neca.

Ela e seu Anildo, demonstram muito amor pelo que fazem. “Trabalhar com paixão por aquilo que se gosta de fazer. Isso faz a diferença”, completa dona Neca.

 

Publicidade

Blog dos Colunistas