14°C
Erechim,RS
Previsão completa
0°C
Erechim,RS
Previsão completa

Publicidade

Geral

Bebê de 11 meses é a quinta geração da família

“É um sonho, o maior amor que já havíamos sentido”, afirmam os trisavós de Heitor

teste
Nelcy Antunes (trisavó), Elza Marchioro (bisavó), Anajara Mucke (avó), Fernanda Mucke (mãe), Heitor
Por Ragnara Zago
Foto Juliano Antunes Fotografia

Quando pronunciamos a palavra avô ou avó, logo vem na mente uma imagem de sabedoria e histórias pra contar. A forma física remete quase sempre à velhice, o que em alguns casos, não é bem assim.

            Na atualidade, cada vez mais, homens e mulheres têm se tornado avós mais cedo, o que possibilita que permaneçam por mais tempo na vida dos netos, bisnetos e até trisnetos. O pequeno Heitor, teve a honra de vivenciar isso na pele. Com 11 meses de idade, conheceu e convive com os trisavós.

            Em Tupanci do Sul, Fernanda Mucke é filha de Anajara, que é filha de Elsa, que é filha de Nelcy. Todas vivem na pequena cidade e unidas dão segmento a essa geração que além de saúde, tem muito amor para dar.

            Os avós são pessoas queridas que cuidam incondicionalmente dos netos. Agora imagine isso em dose tripla! A mãe de Heitor, conta que teve uma infância abençoada ao lado da família. “É como dizem, avós são pais com açúcar, no meu caso foi em dose dupla por ter meus bisavós por perto. Por ser a primeira neta e bisneta, fui muito mimada por eles”, conta Fernanda. A jovem ressalta que se sente realizada em saber que acontecerá o mesmo com seu filho. “O Heitor tem avós, bisavós e trisavós! Isso me traz felicidade e gratidão a Deus, por ter guardado a vida dessas pessoas queridas, para que meu filho pudesse ser amado e cuidado por eles”, salienta.

            Com Ana não foi diferente. “Quando descobri que seria vovó, vi um sonho sendo realizado e recebi a notícia com muita emoção. Só tenho a agradecer a Deus por essa graça. Me sinto feliz em poder ter meu neto, minha filha, meus pais e ainda meus avós vivos e presentes, convivendo diariamente”, revela.

            Dona Elsa é mãe de Ana, avó de Fernanda e bisavó de Heitor. Ela conta que se sente orgulhosa em ver a família unida. “Dentro do meu peito só cabe gratidão por ter meus pais vivos e eles poderem desfrutar da companhia do bisneto, além de auxiliarem em sua criação”, frisa.

            Para os trisavós, Nelcy e Sebastião, a chegada de Heitor trouxe ainda mais esperança. “Ver as gerações da nossa família crescendo é glorioso e nos deixa completos. Não temos palavras para expressar tamanha emoção e alegria. É um sonho, o maior amor que já havíamos sentido. Nunca iríamos imaginar poder alcançar essa graça”, afirmam os trisavós.

            Com certeza, Heitor terá muitas histórias para contar, principalmente às futuras gerações que ainda estão por vir, para seguir preenchendo de nomes e carinho, a identidade da árvore genealógica da família.

Leia também

Publicidade

Blog dos Colunistas