18°C
Erechim,RS
Previsão completa
0°C
Erechim,RS
Previsão completa

Publicidade

Ensino

Universidades de Erechim: entenda como o ensino remoto está sendo adotado

Mesmo com espaços praticamente vazios nas instituições, mais de 5 mil acadêmicos do município desenvolvem atividades não presenciais

teste
Aulas presenciais estão suspensas desde março. Retorno pode ocorrer a partir do dia 21 de setembro
Por Amanda Mendes
Foto Divulgação

Na edição de ontem (2), o Jornal Bom Dia publicou levantamento informando quantos estudantes da educação básica estão afastados das salas de aula, em função da pandemia provocada pelo novo coronavírus, na região do Alto Uruguai. Hoje, a reportagem aborda como está a situação envolvendo os cerca de 5.500 estudantes do ensino superior.

Em março, um decreto estadual suspendeu as atividades em todos os níveis na educação gaúcha. Após mais de cinco de meses, o retorno das aulas pode estar próximo, isso porque na terça-feira (1°) o governo do Estado definiu o calendário de volta gradual. De acordo com as datas, o ensino superior pode estar liberado a partir do dia 21 de setembro, no entanto, a decisão pela retomada será dos prefeitos, instituições e alunos e/ou responsáveis. Ainda em cenário de incertezas, o ensino remoto tornou-se alternativa para universidades do município.

Ensino remoto

A Universidade Regional Integrada (URI) – campus Erechim, que possui cerca de cinco mil acadêmicos, adotou o ensino remoto nesse período em que as aulas presenciais estão suspensas. Atualmente, dois mil estudantes realizam atividades não presenciais e aproximadamente três mil acadêmicos já estão desenvolvendo as aulas práticas, presencialmente, nos espaços da Instituição. 

“Estamos desenvolvendo aulas síncronas, por meio da internet e enviando tarefas para serem realizadas em casa”, contou à reportagem o diretor-geral da URI, Paulo Giollo.

“Diante da curva descendente de casos de covid-19 no Brasil, entendo como muito importante o retorno gradual das aulas presenciais, seguindo os protocolos e com todos os cuidados de distanciamento”, complementou Giollo.

Semestre especial

Já a Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS) – campus Erechim, está elaborando um semestre especial. “Nós temos, aproximadamente dois mil estudantes de graduação e pós-graduação. Inicialmente, o ensino remoto foi adotado nos cursos de pós-graduação e em alguns componentes curriculares da graduação. Entretanto, estamos em fase de preparação de um semestre especial que deverá ser ofertado por meio de ensino remoto”, informou o diretor do campus, Luís Fernando Corrêa da Silva.

“Inclusive, a Universidade lançou um edital de inclusão digital para os estudantes, tendo em vista que a UFFS possui um percentual considerável de estudantes em situação de vulnerabilidade social e, consequentemente, com dificuldade no acesso às atividades remotas”, acrescentou.

Para o diretor do campus, o retorno presencial deve ser orientado por critérios científicos de segurança. “A avaliação do melhor momento para a retomada das atividades presenciais deve considerar a preservação da saúde das pessoas que frequentam o ambiente escolar como princípio fundamental. Considerando as informações que dispomos, entendo que ainda não há uma redução significativa da curva de contágio pelo novo coronavírus e, por isso, ainda não temos as condições para retorno às aulas presenciais”, concluiu.

Atividades pedagógicas não presenciais

No Instituto Federal do Rio Grande do Sul (IFRS) – campus Erechim, que tem mais de 1500 discentes, a alternativa encontrada para manter os processos de ensino e aprendizagem foi a implementação das atividades pedagógicas não presenciais.

“As atividades pedagógicas não presenciais serão estritamente por meios digitais, não implicando em nenhum deslocamento físico ou presencial, com objetivo de garantir o distanciamento social que visa proteger a vida e a saúde de integrantes da comunidade acadêmica e de seus familiares”, informou a Instituição por meio de nota enviado ao Bom Dia.

“Como são inúmeras as providências a serem tomadas para um retorno presencial seguro, desde projetos estruturais, medidas de distanciamento social e de higiene, além de todo preparo pedagógico necessário, a avaliação para o retorno presencial deverá ser de maneira particular de cada instituição de ensino e das circunstâncias concretas que cercarão a aplicação prática destas medidas. A retomada das atividades presenciais no IFRS dependerá da avaliação epidemiológica para segurança de nossa comunidade acadêmica, respeitando todos os protocolos de higiene e distanciamento, provavelmente, em sistema de rodízio e híbrido com atividades remotas não presenciais”, conclui a Instituição.

A reportagem do Jornal Bom Dia entrou em contato com a Universidade Estadual do Rio Grande do Sul (Uergs), mas não obteve retorno até o fechamento desta edição.

Leia também

Publicidade

Blog dos Colunistas