16°C
Erechim,RS
Previsão completa
Euro R$ 6,42 Dólar R$ 5,46
0°C
Erechim,RS
Previsão completa
Euro R$ 6,42 Dólar R$ 5,46

Publicidade

Ensino

Estudantes do Marista Medianeira usam a criatividade e produzem jornal científico

jornal.png
Por Assessoria de Comunicação
Foto Divulgação

A ciência é e sempre foi a base para a construção e evolução do conhecimento humano, seja ele de qualquer natureza. Em tempos de pandemia, ela se torna ainda mais importante, pois é vista com olhos de quem busca esperança e como a forma mais concreta de uma possível cura. No Colégio Marista Medianeira de Erechim, a iniciação científica e o estudo da ciência estão presentes entre os estudantes desde cedo.

As crianças da educação infantil são constantemente estimuladas a descobrir, investigar, pesquisar, criar hipóteses, seja por meio do brincar, das vivências na natureza ou da simples curiosidade. No ensino fundamental, os estudantes são introduzidos ao universo da iniciação cientifica, no contato com o Laboratório de Ciências, com as primeiras experiências relacionadas aos conteúdos estudados em sala de aula ou em casa, até chegarem a tão esperada participação na Mostra de Iniciação Científica, nos anos finais e ensino médio, e em eventos maiores, de toda a Rede Marista e também de outros espaços.

Jornal digital

No tempo em que vivemos, os educadores são desafiados a, mesmo à distância, manterem o movimento de pesquisa e de busca de conhecimento ainda mais vivo e pulsante nos estudantes. A professora de Ciências do 6º ao 9º ano do ensino fundamental do Marista Medianeira, Gabriela Kubiak, encontrou uma forma de engajar seus estudantes do 7º ano, através do aprofundamento do estudo de um dos principais temas em questão na atualidade: “Doenças que mudaram (e mudam) o mundo”.

Este foi o tema da sequência didática de ciências do primeiro semestre letivo de 2020, em que os estudantes foram desafiados a encontrarem a resposta para a problemática de “como as doenças podem afetar a humanidade?”, sendo construída através de uma pesquisa e da elaboração de um jornal em formato digital, abordando no mínimo, cinco doenças, incluindo a covid-19, como produto final a ser entregue na conclusão do trabalho.

Criatividade

E a criatividade e participação dos estudantes surpreendeu a professora de forma muito positiva. “O envolvimento dos estudantes foi grande e com muitas discussões, por tratar-se de um tema atual que alterou a rotina de todos nós, acabando em despertar a curiosidade deles.  Compreender um pouco mais sobre a covid-19 e outras pandemias que ocorreram ao longo da história fez com que os estudantes adquirissem uma relação diferente com o conhecimento, pois estamos vivenciando uma pandemia épica. Esta curiosidade está atrelada ao engajamento que eles tiveram. Como professora, me senti realizada com o empenho dos estudantes e com a correlação da atualidade com os temas abordados na disciplina”, destacou a professora Gabriela.

Para a estudante Ana Carolina Lazzarotto, a tarefa agradou bastante. “Foi muito legal fazer o jornal, pois eu aprendi como é a estrutura de um jornal e também sobre o conteúdo. Enquanto eu fazia, eu estudava e aprendia ao mesmo tempo”.

Novas oportunidades de aprender

De acordo com a coordenadora pedagógica dos anos finais e ensino médio, Talita Bandurka, “devido às novas necessidades de adaptação deste novo tempo, criaram-se também novas oportunidades de sistematização do conhecimento, com o uso da tecnologia. Com isso, os professores também encontram diferentes instrumentos e recursos para poderem avaliar a trajetória de aprendizado de cada estudante”.

Comunicar informações

A estudante Mellina Pinheiro, também do 7º ano EF, espera ainda que os jornais ajudem as famílias e pessoas que acessarem. “Foi uma atividade diferente, eu gostei muito. Aprendi mais sobre as doenças e sobre o novo coronavírus e poderei ajudar muitas pessoas repassando a informação certa. É ideal para esse momento que exista uma forma de comunicarmos a todos sobre o que aprendemos, está sendo muito produtivo esse momento que estamos em casa. Estou me acostumando com as aulas virtuais, mas me adaptei bem. Estou muito feliz por ter feito o trabalho e espero que ajude”.

Os estudantes compartilharam os trabalhos com os educadores e demais colegas por meio da plataforma Marista Virtual 3.0, uma plataforma diferenciada e muito importante para a realização das atividades remotas durante o período de isolamento social. Nela, os professores e estudantes do Marista Medianeira podem compartilhar trabalhos, materiais, conteúdos, devolutivas e ainda podem acessá-la em diversos dispositivos, de qualquer lugar e a qualquer hora.

Leia também

Publicidade

Blog dos Colunistas