0°C
Erechim,RS
Previsão completa

Publicidade

Geral

Uma homenagem a todas as mães

Irmã, tia, avó, vizinha, prima: pessoas que, com carinho, amor e atenção tornam-se mães e se dedicam para cuidar de quem precisa

Ela não é só uma irmã, ela é também minha mãe
Por Jéssica Scartazinni - jessica@jornalbomdia.com.br
Foto Arquivo pessoal

Irmã, tia, avó, vizinha, prima: pessoas que, com carinho, amor e atenção tornam-se mães e se dedicam para cuidar de quem precisa

“Desde bem pequena, sempre fui muito apegada à Doca, apelido carinhoso da minha irmã Juveniria. Ela sempre cuidou muito de mim e éramos inseparáveis. Quando nossa mãe faleceu, ela estava casada e morava em São Paulo. Ao abrir o processo da tutela, ela assumiu minha guarda e voltou a morar em Erechim, abrindo mão de muita coisa ao tomar essa decisão. Assim, ela tornou-se minha irmã-mãe”.

A narrativa de Letícia da Costa e Silva, de 22 anos, também contempla as histórias de tantas outras meninas e meninos que, devido as mais diversas circunstancias da vida, ganharam uma nova mãe. Esta data especial, Dia das Mães é dedicado à todas elas que, indiferente da ligação materana, criam seus filhos com muito amor e dedicação. As mães de coração, as mães de criação...ah, as mamães. 

Uma história linda e encantadora foi contada por Leticia que hoje tem lindos motivos para comemorar o Dia das Mães. “Minha família era composta por minha mãe e seus cinco filhos.  Aos meus 10 anos, nossa matriarca faleceu. Por ser a única menor de idade, deu-se início ao processo de tutela e minha irmã largou tudo para tornar-se minha irmã-mãe. Serei eternamente grata por tudo o que ela fez e ainda faz por mim. Ela não é só uma irmã, ela é também minha mãe. Ela representa coragem, determinação, superação, amor incondicional! Se hoje sou a pessoa que sou, foi graças à criação de minhas duas mães que me ensinaram a ter valores, a respeitar aos demais, e a dar sempre o melhor de mim”, disse Letícia. 

Para ela, esta data se define em saudade e gratidão. “Representa saudade por não ter mais ao meu lado minha mãe Ady, que sempre foi nossa fortaleza e que faz muita falta” disse. Ela diz que sentir saudade é algo que machuca todos os dias, mas no Dia das Mães, ao ver todo mundo comprando presentes, postando fotos e mensagens em redes sociais...é bem complicado. “Aquela vontade de abraçar, de beijar, de passar o dia junto.. tudo fica muito mais intenso”, disse. Mas, por outro lado, Letícia sente gratidão por ter tido uma mãe maravilhosa durante os dez anos que passaram juntas. 

Embora este sentimento de saudade exista, há também toda a gratidão de poder ter a oportunidade de ter uma irmã que a criou. “Tenho uma irmã-mãe incrível que sempre fez e ainda faz de tudo por mim. Me sinto muito abençoada por ter nascido nessa família, por ter tido duas mães fantásticas que não mediram esforços para me ver feliz. Infelizmente não tenho mais minha mãe Ady, mas sou imensamente grata e feliz por ter minha irmã-mãe Doca ao meu lado, me amando, me cuidando e fazendo de tudo para me ver bem”. 

Sua irmã-mãe Doca, como é carinhosamente chamada não mediu esforços para ficar com a pequena Letícia. “Sempre acreditei num amor maior, de coração, de alma! E foi esse amor que senti desde o primeiro momento em que vi a Letícia. Um amor sem explicação, sem preconceitos”, disse. Para ela, mãe é aquela que cria, que acorda durante a noite, que se preocupa no dia-a-dia. “Quando vi pela primeira vez aquele ser indefeso, precisando de cuidados e de amor, entendi que a partir dali minha vida valeria mais a pena. Com o passar dos anos ela me mostrou o quanto o amor é maior do que tudo! Que eu jamais conseguiria viver sem ela! Foi ela que me ensinou a viver e a amar incondicionalmente” disse Doca. 

Nesta data especial, Letícia diz que, se pudesse dar um conselho às pessoas, seria para valorizar muito a sua família. “Não importa como ela é formada, se é biológica ou adotada, se é composta por duas mães, por dois pais, por irmãs-mães ou irmãos-pais. Apenas pelo fato de você ter alguém que te ama e que está sempre ao seu lado, você já deve agradecer. Existem tantas pessoas no mundo rezando todos os dias para ter amor, carinho, e infelizmente não tem. Brigas, discussões... Isso acontece em toda família. Não desperdice os momentos que você pode ter, porque infelizmente as pessoas não são eternas, e chegará o dia em que cada segundo fará falta. Cada beijo não dado, cada abraço que poderia ter sido mais apertado, cada “eu te amo” que não foi dito.. tudo isso causará dor e saudade. Portanto, aproveite o tempo que você tem ao lado das pessoas que lhe são importantes. Beije, abrace, ame! E agradeça a Deus por ter uma família, independente de como ela é”. 

Leia também

Publicidade

Publicidade

Blog dos Colunistas