0°C
Erechim,RS
Previsão completa

Publicidade

Rural

“Se todo ano produzisse assim seria ótimo”

Produtor de uvas viníferas de Barão de Cotegipe, Eloy Mozena, está satisfeito com a produção das uvas Merlot, Cabernet Sauvignon e Lorena, sua melhor safra em quantidade e qualidade em nove anos. Se o tempo permitir, deve iniciar nos próximos dias a colheita da variedade Lorena

Uva está com excelente qualidade, diz produtor
Comprador escolhe a linha do parreiral que quer ficar
Polleto afirma que a variedade Lorena produz um vinho muito bom e tem uma grande conversão líquida
Por Ígor Dalla Rosa Müller
Foto Ígor Dalla Rosa Müller

Saindo de Barão de Cotegipe pouco mais de um quilômetro adiante já se avista a casa de pedra. É ali que o produtor de uva vinífera Eloy Mozena cultiva, há nove anos, as variedades Merlot, Cabernet Sauvignon e Lorena. Se o tempo permitir, nos próximos dias está previsto o início da colheita da variedade Lorena, a primeira a ser retirada do parreiral. Em seguida a Merlot e, por último, a Cabernet Sauvignon.  

Mozena explica que ainda falta 40% do parreiral para ser comercializado, contudo, a expectativa é que nos próximos dias venda toda a sua produção, como na safra passada. “Estou satisfeito com as uvas desse ano. Inclusive estão vindo compradores de Passo Fundo, Chapecó, São Miguel do Oeste, Aratiba, Erechim, Viadutos, Gaurama e Getúlio Vargas, clientes que vem comprando a uva já há alguns anos”, diz.

Toda a sua safra será vendida a granel, já que o produtor não tem uma vinícola para industrializar as uvas. Ele conta que os próprios compradores gostam de ir até a propriedade fazer a colheita da uva, já que muitos têm origem no campo e trabalharam ou tinham contato com parreirais.

O seu parreiral está dividido em 42 linhas de espaldeira, e depois que o comprador escolheu a linha que vai ficar, ele fica responsável pela sua manutenção. “Depois colhe, pesa e leva embora a uva para fazer o seu vinho”, explica.  

Hoje, o quilo da uva vinífera está em torno de R$ 3,75, o que representa R$ 0,25 a mais do que o valor da safra passada. Dos oito anos que o Mozena está produzindo uvas viníferas esse foi a sua melhor safra em qualidade e quantidade, mesmo com o aumento das chuvas dos últimos dias. Ele comenta que a uva desse ano pode chegar a um grau Brix de até 21%. “O que é uma uva de excelente qualidade”, diz.

O produtor conta um curiosidade, para manter o elevado padrão da uva ele faz uma poda mais aberta no parreiral no lado que fica para o nascente, e deixa mais fechada na parte do poente, com 30% a mais de folhas, onde o sol é mais forte a tarde, já que o parreiral está posicionado no sentido norte-sul.     

“Se todo ano produzisse assim seria ótimo. Essa é uma cultura que dá muito trabalho, mas o sistema em espaldeira ajuda a colher e a podar. Esse sistema é mais prático para trabalhar e melhor para produção de uvas viníferas”, comenta. O produtor agradece o apoio da Emater e, principalmente, do engenheiro agrônomo, Luiz Angelo Polleto, que é um incentivador do projeto.

Assistência técnica

Conforme o engenheiro agrônomo, Luiz Angelo Polleto, assistente técnico regional em Produção Vegetal da Emater/Ascar, os 4,2 hectares de parreiral do produtor Mozena são uvas viníferas para quem quiser produzir bons vinhos, da melhor qualidade.

Ele destaca que o produtor vem aumentando a sua produção a cada ano, e na safra passada produziu 30 toneladas e vendeu toda a sua uva.

Polleto afirma que a variedade Lorena, além de produzir um vinho muito bom, tem outro diferencial, tem uma grande conversão líquida, isto é, a cada quilo da uva se gera em torno de 800 ml de suco.

Contudo ele observa, que nesse momento em que a uva está amadurecida, o produtor tem que torcer para que as chuvas diminuam, assim a uva vai produzir ainda mais açúcar, e com isso, vinho de mais qualidade.

Leia também

  • Colégio Agrícola: Hora de colocar em prática o aprendizado

    Descrever diferentes tipos de culturas, apresentar custos e técnicas de produção, qualidades nutricionais, principais doenças e tratamentos, utilização das plantas na culinária, estimular o consumo e o plantio dos alimentos e, também, a prática da pesquisa nos estudantes, esses foram os objetivos da tarde de campo sobre olericultura, realizada no Colégio Agrícola Estadual Ângelo Emílio Grando de Erechim realizou, nesta terça-feira (20). A apresentação teve 26 estações rurais com alimentos de grande valor nutricional que podem ser produzidos e comercializados na região, e, principalmente, cultivados no sistema agroecológico.

  • Nova direção do SUTRAF-AU toma posse

    Mais de 250 membros assumem a coordenação do sindicato em todo o Alto Uruguai para o período de 2019/2022

Publicidade

Publicidade

Blog dos Colunistas