13°C
Erechim,RS
Previsão completa
Euro R$ 4,20 Dólar R$ 3,75
0°C
Erechim,RS
Previsão completa
Euro R$ 4,20 Dólar R$ 3,75

Publicidade

Segurança

Disputa pelo tráfico tem resultado em homicídios, atentados e até plano para matar policiais

Batalha ininterrupta dos policiais contra traficantes resultou na apreensão de aproximadamente 100 quilos de drogas em 2018 e na apreensão de armamento pesado

Em setembro de 2018, ação policial apreendeu 70 quilos de maconha e armas pesadas
Por Alan Dias
Foto Alan Dias

Homicídios, atentados, pessoas feridas e planos para matar agentes de segurança. Este é o balanço da disputa entre grupos rivais que tentam dominar o tráfico de drogas em Erechim, em uma guerra que iniciou ainda no ano passado e tem sido responsável pela maioria dos assassinatos registrados na cidade nos últimos meses. E a luta parece que agora está focada na região do bairro São Vicente de Paulo, onde em dois meses, na Rua José Wilk, foram cometidos três homicídios. No dia 26 de novembro do ano passado, Josimar Ferreira de Bairros, 35 anos, foi morto com dois tiros. Já em 14 de dezembro, policiais encontraram no porão de uma residência, enrolado em um saco de ráfia, o corpo de Luís Carlos Guedes, 48 anos. De acordo com o delegado titular da Delegacia de Polícia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas (Draco), Gustavo Vilasbôas Ceccon, a vítima foi “espancada até a morte, com a utilização de pedras e outros objetos, ficando com a face praticamente desfigurada”.

Na noite do último dia 6, a adolescente Eliane de Oliveira Ribeiro da Silva, de 15 anos, morreu com um tiro na cabeça e a polícia apura duas possibilidades para o crime, que ela tenha sido surpreendida em uma troca de tiros entre os grupos rivais ou que tenha sido capturada em uma emboscada que teria como alvo o namorado da vítima.

Já no final da manhã de segunda-feira (7), o namorado da adolescente foi preso por agentes da Draco. Ele é apontado como autor nas mortes de Josimar e Luís, além de ser investigado por tráfico de drogas e integrar uma das quadrilhas que lutam pelo controle do tráfico em Erechim.

E mesmo após os três homicídios, a situação na Rua José Wilk ainda não acalmou. Na noite de segunda, um rapaz, com 23 anos, foi baleado na perna, supostamente por um amigo que estava com ele no interior de uma residência. O jovem foi encaminhado ao hospital por familiares, recebeu atendimento e passa bem.

 

Policiais em risco

Em 14 de novembro de 2018, ação conjunta entre a Brigada Militar e a Polícia Civil prendeu parte de uma das quadrilhas que tenta se instalar em Erechim e dominar o tráfico de drogas. Na operação foram presas oito pessoas e um adolescente foi apreendido. Conforme a investigação, o grupo se preparava para colocar em prática um plano para assassinar policiais civis, militares e agentes penitenciários.

A quadrilha é liderada por um detento natural de Erechim, que atualmente cumpre pena na PASC (Penitenciária de Alta Segurança de Charqueadas) e que, do interior do presídio, comandava e determinava as ações do grupo.

O delegado Ceccon relatou na data, “praticamente todo o bando foi preso hoje, mas a gente tem consciência que, esse indivíduo que continua preso e mesmo assim, segue praticando crimes, vai tentar aliciar outras pessoas para continuar exercendo essa atividade ilícita”.

 

Homicídios, atentados, prisões e apreensões

Além dos casos citados na matéria, os grupos estão sendo investigados por outros homicídios ocorridos na cidade durante o ano passado, mas a polícia por enquanto, não divulgará mais detalhes para não atrapalhar as investigações. As quadrilhas estariam envolvidas ainda em tentativas de homicídio, entre elas a que resultou em um adolescente baleado no rosto. Na data, o carro em que estava o jovem foi perseguido do bairro Atlântico até o bairro São Cristóvão, por indivíduos tripulando motos.

O veículo era conduzido pelo irmão do menor, que seria o real alvo dos atiradores e acabou preso por tráfico de drogas. Ele seria o segundo em comando em um dos bandos.

A batalha ininterrupta dos policiais contra o tráfico de drogas resultou ainda, no ano de 2018, na apreensão de aproximadamente 100 quilos de drogas, mais de duas dezenas de prisões e na apreensão de fuzis, espingardas calibre 12, pistolas, revólveres, coletes balísticos, farta munição, rádios comunicadores e diversos outros objetos utilizados pelos criminosos.

Publicidade

Publicidade

Blog dos Colunistas