0°C
Erechim,RS
Previsão completa

Publicidade

Ensino

Índices de conclusão do ensino médio melhoram no Estado, mas cenário em Erechim ainda é preocupante

Levantamento também indica avanços no país

Neste ano, estima-se que apenas 472 estudantes concluirão o ensino médio
Por Amanda Mendes
Foto Najaska Martins

Um estudo levantado pelo movimento Todos pela Educação indica melhoras nos índices de conclusão no ensino médio. A pesquisa foi estimulada para monitorar a meta 4 do movimento, buscando alcançar até o ano de 2022 que todo jovem de 19 anos tenha concluído essa fase da educação básica. 
Conforme publicado pela Agência Brasil, o levantamento tem como base a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio de 2012 a 2018 (Pnad-C) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Os dados mostram que quatro em cada 10 jovens de 19 anos ainda não concluíram o ensino médio. 
Em nível nacional e estadual as taxas de conclusão do ensino médio aumentaram. O Rio Grande do Sul que apresentava índices em cerca de 50 a 64,9% no ano de 2012 subiu para o intervalo de 65 a 79,9% em 2018. A taxa considerada ideal é igual ou superior a 80% e nenhum Estado conseguiu atingi-la. 
Cenário das escolas públicas erechinenses
Em Erechim, as escolas públicas observaram uma redução no número de concluintes do ensino médio. Conforme a coordenadora pedagógica da 15° Coordenadoria Regional de Educação (CRE), Katia Silene Rossi, em 2017 cerca de 711 estudantes concluíram a última fase educação básica, já para esse ano a estimativa é de apenas 472. 
Para Katia, esse cenário é resultado de medidas como o Exame Nacional de Certificação de Competências de Jovens e Adultos (Encceja), com aplicações de provas anuais que certificam etapas da educação básica, bem como, a modalidade de ensino Educação de Jovens e Adultos (EJA). 
Proposta do Novo Ensino Médio pode mudar essa realidade
Segundo Katia, os desafios que a 15ª CRE observa é com relação a implantação do Novo Ensino Médio. "O projeto traz uma proposta de protagonismo juvenil, que estimula os jovens a fazer escolhas, tomar decisões e se responsabilizar por elas, garantindo os direitos de aprendizagem", enfatiza a coordenadora pedagógica.

 

Leia também

Publicidade

Blog dos Colunistas