22°C
Erechim,RS
Previsão completa
Euro R$ 6,38 Dólar R$ 5,40
0°C
Erechim,RS
Previsão completa
Euro R$ 6,38 Dólar R$ 5,40

Publicidade

Economia

A relação da renda com o número de casos da Covid-19

Comparando Erechim, Passo Fundo, Chapecó e Concórdia, a Capital da Amizade tem menos número de casos e de óbitos e também a menor renda entre os quatro municípios

Um trabalhador em Erechim ganha R$ 5.559 a menos por ano que trabalhadores de Passo Fundo e Chapecó
Por Rodrigo Finardi
Foto Rodrigo Finardi

Na coluna de hoje, fiz uma pesquisa sobre quatro municípios próximos, com relação a população, o número de casos da Covid-19, os números de óbitos e a renda média de seus habitantes. Duas cidades em Santa Catarina (Chapecó e Concórdia) e duas no Rio Grande do Sul (Erechim e Passo Fundo). Os números do coronavírus são até às 14 horas de ontem (21).

Erechim: 60 casos com uma morte para uma população de 105.862 habitantes. A renda média é de 2,4 salários mínimos.

Passo Fundo: 438 casos com 25 mortes para uma população de 203.275 habitantes. A renda média é de 2,8 salários mínimos.

Chapecó: 684 casos com uma morte para uma população de 220.367 habitantes. A renda média é de 2,8 salários mínimos.

Concórdia: 421 casos com sete mortes para uma população de 74.641 habitantes. A renda média é de 2,5 salários mínimos.

 

Circulação de recursos

O número de habitantes e renda foi pesquisado para mostrar que onde circula mais recursos, a incidência do vírus é maior. Erechim tem a menor renda média das quatro cidades pesquisadas e tem o menor número de casos da Covid-19 e de óbitos.  

Os salários médios

Um trabalhador em Erechim recebe por mês em média, R$ 2.508. Em Chapecó e Passo Fundo recebem R$ 2.926 por mês. E em Concórdia o salário é de R$ 2.508,00.

A diferença na economia

Para se ter uma ideia do impacto na economia dessa diferença, um trabalhador em Passo Fundo e Chapecó recebem R$ 5.559 a mais por ano que um trabalhador em Erechim. E em Concórdia, recebe R$ 1.383,20 a mais. Essa conta é feita incluindo férias e décimo terceiro.

Como se vê, uma economia mais forte, circula mais pessoas, e é mais propício a propagação do vírus. Pode ser coincidência, mas os números estão aí, para serem analisados.  

Leia também

Publicidade

Publicidade

Blog dos Colunistas