22°C
Erechim,RS
Previsão completa
Euro R$ 4,37 Dólar R$ 3,84
22°C
Erechim,RS
Previsão completa
Euro R$ 4,37 Dólar R$ 3,84

Publicidade

Economia

Creral chega aos 50 anos com olhos no futuro

Cooperativa há tempos deixou de ser apenas uma distribuidora de energia para agricultores do interior do Alto Uruguai. Hoje, gera e distribui energia, avança nas telecomunicações (Telecom) e, atenta às oportunidades, mira novos mercados

Alderi do Prado
Por Salus Loch
Foto Divulgação

Quando a Cooperativa Regional de Eletrificação Rural do Alto Uruguai, Creral, foi fundada, em julho de 1969, seu propósito era levar luz ao campo. Passados quase 50 anos, as atribuições da entidade – que precisou se reinventar no início da década de 90 – suplantaram, em muito, a estimativa de seus idealizadores. Mérito de um corpo diretivo liderado pelo presidente Alderi do Prado e pelo conjunto de associados distribuídos em 37 municípios do norte gaúcho. Na entrevista a seguir, Alderi explica o funcionamento da entidade, fala de números, projetos e garante: a Creral está atenta às ‘oportunidades’ do mercado.

No final de 2018, a Creral – ao lado de um grupo de empresas – inaugurou uma usina termelétrica ‘a casca de arroz’ em São Sepé. Em 2019, deve dar início a outra planta, nos mesmos moldes, em Capivari do Sul. Este é um novo filão de investimentos da cooperativa?

Sim. Mas, não só este. Estamos atentos às oportunidades do mercado. Em São Sepé, a formação deste grupo (com seis empreendedores) permitiu a viabilização da termelétrica com potência instalada de 8 MW e geração de energia de 56 milhões kWh/ano, sendo que já temos 28 empresas distribuidoras como compradores da energia. Tivemos um investimento de R$ 60 milhões, sendo que a Creral responde por 30% do total. Em Capivari do Sul, reproduziremos o formato do negócio – utilizando a biomassa (casca de arroz). A planta, porém, ainda está em fase inicial de aprovação de projetos junto à Fepam. Imaginamos que a obra deva entrar em operação em 2020, gerando 60% da energia de São Sepé.

O Sr. fala em estar atento às oportunidades. O aproveitamento da energia solar (fotovoltaica) estaria no radar?

Também. Este é um modelo em construção. No momento, estamos avaliando a melhor estratégia. Posso antecipar, contudo, que em Erechim temos índices de insolação que viabilizariam a negócio. Agora, é definir a melhor forma de execução.

A Creral passará a priorizar parcerias financeiras para seus investimentos futuros?

Vai depender da estratégia a ser adotada e do volume de investimento necessário. Parcerias são importantes para alcançarmos novos mercados. Lembrando que tudo deve ser aprovado pela assembleia. Foi ouvindo o associado que superamos nosso momento mais difícil, em 1992. E é assim que estamos crescendo ano a ano.

Aliás, qual é o crescimento em 2018? E para 2019, o que está previsto?

Estamos finalizando os números de 2018, mas iremos superar os 10% - creditados à Telecom e ao que chamo de ‘crescimento vegetativo’, eis que, por exemplo, o resultado de São Sepé só entrará em 2019. Para este ano, passaremos dos 15%.

Em 2019, existe a previsão da inauguração da PCH Forquilha IV, entre Maximiliano de Almeida e Machadinho. Será a grande obra dos 50 anos?

Em termos de investimentos, sim. Além disso, ela irá gerar uma potência instalada de 13 MW – a maior que já viabilizamos num único investimento. Devemos concluir a obra em 2019 e fazer com que entre em operação em 2020. Nos primeiros anos, faremos a venda (da energia) no mercado livre, sendo que, de 2023 a 2052, já temos toda a geração contratada com duas dezenas de concessionárias do país, via mercado regulado (leilão público). Vale frisar que, mais uma vez, a união de cooperativas de energia e empresários de Erechim permitiram a execução do projeto. O cinquentenário da Creral (a ser comemorado em 23 de julho), porém, será marcado por outras ações no campo social, ambiental e de valorização e participação do associado, que no momento oportuno iremos divulgar.

Anteriormente o Sr falou que a Telecom foi importante para o crescimento da Creral em 2018. Quais são os números do segmento no faturamento total?

Hoje a Telecom responde por cerca de 20% da receita, restando 80% à Distribuição e à Geração de Energia (40% cada). Em 2019, estimamos que as telecomunicações passem a 25% do bolo. Queremos saltar dos atuais 16 mil clientes para mais de 20 mil. Vamos investir na aproximação com as pessoas, ampliando a inserção em municípios como Erechim, Sananduva, Getúlio Vargas e outros. Em Aratiba, aliás, já oferecemos internet a 100% das comunidades rurais. Considerando o crescimento de 60% entre 2017 e 2018, creio que a meta é plenamente alcançável.

Em relação à distribuição de energia, o êxodo rural afeta e preocupa?

Sim. No entanto, somos parceiros dos produtores em investimentos que permitam a geração de renda e a fixação das famílias no campo, a partir de negócios viáveis. Vemos, porém, que existe uma espécie de ‘verticalização da propriedade’. Ou seja, se por um lado é possível imaginarmos um campo com menos gente, por outro, graças à profissionalização da gestão rural e de investimentos em aviários e outros, devemos ter aumento no consumo de energia. Desta forma, uma coisa acaba compensando a outra.

------------

Saiba mais

A Creral tem 7.400 associados, 2 CGHs próprias, 2 PCHs em sociedade, 1 termelétrica a casca de arroz (em sociedade), 1 PCH em construção (em sociedade) e 16 mil clientes de internet. A cooperativa beneficia cerca de 300 mil pessoas nos 37 municípios de atuação, alcançando a mais de 75 mil domicílios. Além do presidente Alderi do Prado, compõem o quadro diretivo o vice-presidente Umberto Toazza, que responde pelo setor de Distribuição e o secretário Edilson Guzzo, diretor da Telecom. O conselho de líderes é constituído por 91 membros. Já o conselho de administrativo é composto por 15 pessoas.

Diferencial

Segundo o presidente Alderi, um dos diferenciais da Creral é a atenção prestada ao associado. As estatísticas mostram que o tempo médio de espera para atendimento é de 1h48min. ‘Isso que 80% das áreas atendidas são rurais’, observa o presidente.

Quem é Alderi do Prado
Natural de São Valentim, cresceu na Comunidade do Alto Alegre (hoje Entre Rios do Sul). Estudou na Escola Municipal Carlos Gomes. É casado com Rosa Matilde do Prado. Mora em Erechim desde 1992, quando foi indicado para assumir o comando da Creral numa época em que a cooperativa passava por uma grave crise de gestão, financeira e estrutural. Formado em administração/gestão de cooperativas, de janeiro de 2003 a junho de 2007 foi diretor no ministério de Minas e Energia do programa Luz para Todos - programa de eletrificação rural que levou energia a 2 milhões de famílias no Brasil.

Leia também

Publicidade

Blog dos Colunistas