18°C
Erechim,RS
Previsão completa
0°C
Erechim,RS
Previsão completa

Publicidade

Saúde

lentes-contato-ea91fe10.jpg

Sete sinais de alerta para quem usa lentes de contato

Por Assessoria de imprensa
Foto Divulgação

As lentes de contato podem ser a solução para quem não gosta de usar óculos ou ainda para aqueles que querem praticar atividades esportivas que não comportam o uso do acessório. Mas, embora possam parecer práticas e cômodas, as lentes de contato podem causar alguns problemas oculares.

As complicações são comuns na prática clínica, de acordo com a oftalmologista Dra. Tatiana Nahas. “A prescrição das lentes de contato deve ser feita por um oftalmologista, bem como o acompanhamento contínuo do processo de adaptação às lentes. Isso porque, independentemente do material, forma de uso ou tecnologia, o fato é que a lentes de contato alteram a fisiologia dos olhos”, diz a oftalmologista.

Segundo ela, essas mudanças, no geral, não são importantes, mas, em certas situações podem levar a quadros potencialmente graves. “Mesmo que a pessoa seja usuária há muitos anos, precisamos levar em conta que há fatores ambientais e físicos interagindo constantemente”, explica Dra. Tatiana.

Um dos conselhos mais importantes para quem usa lentes de contato é ficar atento aos sinais e sintomas oculares que podem ser um alerta de que é preciso procurar o oftalmologista.

Dra. Tatiana Nahas lista os principais sintomas. Confira:

1- Vermelhidão

As lentes de contato podem capturar facilmente substâncias irritantes como fumaça, pólen, poeira, poluição e maquiagem. O acúmulo desses agentes pode causar vermelhidão, coceira ou ardor nos olhos ou até mesmo uma conjuntivite. Vermelhidão é, normalmente, um sinal de irritação!

Vale lembrar ainda que a vermelhidão pode ser o primeiro sinal de que há problemas de adaptação das lentes. O primeiro passo é ter certeza de que a limpeza das lentes está sendo realizada corretamente, bem o tempo de uso está sendo respeitado. 

 

2- Queimação e coceira

Quando a vermelhidão vem acompanhada de coceira e/ou ardência, após o uso de lentes de contato, é possível que haja algum tipo de reação alérgica ocular, como uma conjuntivite alérgica. A alergia pode estar relacionada ao material das lentes, bem como aos produtos usados para sua limpeza.

 

3- Acúmulo de secreção ou pus

Ardência ou coceira, isoladamente, podem apenas estar relacionadas a uma reação alérgica. Entretanto, se juntamente como esses sintomas houver acúmulo de secreção, é preciso procurar o oftalmologista o mais rápido possível. Esses sintomas podem indicar uma conjuntivite bacteriana ou viral.

 

4- Sensação de areia

A falta de limpeza e hábitos nocivos, como não tirar as lentes de contato para dormir, por exemplo, são as principais causas de problemas oculares relacionados ao uso das lentes.

A sensação de areia nos olhos, quando a pessoa está de lentes, pode significar que algum tipo de substância está agregado às lentes, como partículas de metal, sujeira etc. A pior consequência, nesses casos, podem ser uma lesão na córnea.

 

5- Sensibilidade à luz

A fotofobia é uma condição muito comum e tem diversas origens. Mas, deve ser um sinal de alerta para quem usa lentes de contato há muitos anos, pois pode estar relacionado a problemas na córnea.

 

6- Visão embaçada

Lentes de contato sujas ou danificadas podem deixar a visão embaçada. Essa condição pode ainda ser decorrente do uso excessivo de lentes de contato que leva à diminuição do nível de oxigênio na córnea. Para manter o filme lacrimal saudável, a córnea necessita de um bom aporte de oxigênio.

A principal recomendação é tirar as lentes de contato para dormir, além de realizar limpeza adequada diariamente.

 

7- Olho seco

Quem usa lentes de contato por muitos anos, pode desenvolver a síndrome do olho seco. Isso porque as lentes de contato interferem na hidratação natural e na limpeza dos olhos. A dica é pedir ao oftalmologista a recomendação de um colírio lubrificante.

O uso de lentes de contato tem riscos. Por isso, é importante que as lentes sejam prescritas por um oftalmologista. O uso consciente impõe um compromisso por parte do paciente de realizar um acompanhamento periódico, além de assumir com responsabilidade os devidos cuidados de limpeza e recomendações médicas.