5°C
Erechim,RS
Previsão completa
0°C
Erechim,RS
Previsão completa

Publicidade

Ensino

Novo estudo da UFFS aponta benefícios do óleo à base de Cannabis para tratamento de doenças neurodegenerativas

Pesquisa de Ana Paula Vanin foi desenvolvida no Mestrado em Ciência e Tecnologia Ambiental

teste
Análise dos nematoides em microscópio de fluorescência
Por Assessoria de Comunicação
Foto Divulgação

O crescimento de pesquisas que atestam o potencial da Cannabis para o tratamento de doenças crônicas ligadas ao sistema nervoso central não para. Na Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS) Campus Erechim, um estudo, que resultou na dissertação de mestrado da acadêmica Ana Paula Vanin, avaliou o potencial protetivo e curativo de diferentes concentrações dos canabinoides THC e CBD, presentes na planta.

Desenvolvida no Programa de Pós-Graduação em Ciência e Tecnologia Ambiental (PPGCTA), a pesquisa foi realizada no nematódeo Caenorhabditis elegans, um tipo de verme que possui grande similaridade com os genes e vias moleculares do corpo humano. O estudo apontou que os óleos feitos a partir da Cannabis sativa que contêm as substâncias CBD e THC podem afetar parâmetros comportamentais, biomarcadores do sistema colinérgico e a peroxidação lipídica. A autora percebeu que o óleo com CBD ajuda a inibir a atividade de uma enzima chamada acetilcolinesterase, que está relacionada com algumas funções do nosso sistema nervoso central. Já o óleo rico em THC afetou biomarcadores em diferentes tipos de cepas do verme.

"Na doença de Alzheimer ocorre a deficiência de neurotransmissores que são responsáveis pela transmissão dos estímulos nervosos transmitidos de um neurônio a outro. A acetilcolina é um importante neurotransmissor no cérebro e está diretamente ligada aos processos cognitivos, motores e memória. O Alzheimer gera a degradação dos neurônios, diminuindo essa atuação da acetilcolina, que é degradada pela ação de enzimas. Porém, quando elas são inibidas pelo uso dos óleos à base de Cannabis, o neurotransmissor permanece ativo por maior tempo na fenda sináptica, melhorando os sintomas cognitivos, funcionais e comportamentais relacionados à doença", explica a pesquisadora, que destaca que os resultados são importantes porque fornecem insights sobre como os compostos derivados da Cannabis podem influenciar sistemas neuroquímicos e processos associados a doenças neurodegenerativas, como o Alzheimer.

Para ficar mais fácil, imagine que o corpo é como um grande quebra-cabeça e que o CBD e o THC são peças especiais. Essas peças podem fazer coisas diferentes em partes importantes do nosso corpo, como em um sistema de comunicação chamado colinérgico e em outras partes relacionadas ao nosso cérebro. Quando estudamos como essas peças (CBD e THC) afetam essas partes, descobrimos caminhos secretos que as peças usam para enviar mensagens dentro do nosso corpo. Essas mensagens podem ser como instruções especiais para melhorar a maneira como o nosso corpo funciona. E quando conhecemos esses caminhos secretos, podemos encontrar maneiras de consertar coisas que não estão funcionando tão bem.

Conforme resultados obtidos no estudo, Ana Paula percebeu que os óleos CBD e THC têm potencial para influenciar processos neuroquímicos relevantes para doenças neurodegenerativas, principalmente por terem funções neuroprotetoras, neuro antioxidantes e neuro anti-inflamatórias. A pesquisa, assim, contribui para esclarecer os mecanismos subjacentes às melhorias observadas em doenças crônicas ligadas ao sistema nervoso central (SNC), uma vez que fornece novas informações sobre como os compostos derivados da Cannabis interagem com sistemas neurotransmissores específicos.

"Ao entender como o CBD e o THC afetam sistemas como o colinérgico e outros processos relacionados ao SNC, podemos identificar vias de sinalização molecular específicas e potenciais alvos terapêuticos que estão envolvidos nas melhorias observadas", destaca Ana Paula.

"Apesar de existirem mais de cem canabinoides produzidos pela cannabis, o THC e o CBD são os dois principais compostos presentes na planta. Possuem maiores propriedades terapêuticas predominantes, muito utilizadas na produção de óleos medicinais, sendo também os mais utilizados em estudos clínicos para diversas patologias. Nosso cérebro tem mecanismos que se conectam a essas substâncias organicamente. Ele está naturalmente preparado para se ligar com esses canabinoides através dos receptores CB1 e CB2 (endógenos) do sistema endocanabinoide, que regula uma série de processos fisiológicos no corpo humano levando à interação com o metabolismo celular e, desta forma, modulando as funções sinápticas", explica a pesquisadora.

Em outras palavras, o THC e o CBD podem proteger as células nervosas, ajudar na forma como pensamos, nos movemos, sentimos emoções e até mesmo na forma como o nosso corpo percebe as coisas.

Segundo Ana Paula, nos últimos anos a medicina também demonstrou interesse em outros fitocanabinoides, como o canabinol (CBN), utilizado no tratamento da insônia, de patologias relacionadas ao sistema imune, esclerose múltipla e Doença de Crohn. Já o tetrahidrocanabivarin (THCV), o canabigerol (CBG) e o canabicromeno (CBC) também vêm ganhando popularidade em estudos científicos, sendo usados para tratamento de diabetes, inibição de células tumorais, glaucoma e osteoporose.

Obstáculos e desafios

Enquanto as pesquisas avançam, o uso medicinal da Cannabis segue com obstáculos e desafios. Para Ana Paula, a principal dificuldade é a falta de regulamentação em muitos estados brasileiros.

"Alguns já têm o projeto aprovado em seus respectivos legislativos e outros já disponibilizam o medicamento via SUS, como é o caso do estado de São Paulo. Outro desafio é a necessidade de médicos habilitados para prescrever medicamentos à base de Cannabis sativa no País, pois o próprio Conselho Federal de Medicina não é claro em relação ao tema, e alguns profissionais têm até receio em prescrever a Cannabis".

Segundo a pesquisadora, há ainda o preconceito que há em torno do debate.

"A maioria das pessoas considera a Cannabis como uma droga ilícita e não como um medicamento. Há também a desinformação e a falta de confiança nas publicações já existentes que comprovam a real eficácia dos canabinoides, mesmo sendo em periódicos científicos com grande notoriedade mundial. Isso sem falar na dificuldade de acesso aos medicamentos. O processo é burocrático tanto para os pesquisadores quanto para os pacientes que precisam do tratamento para diversas patologias, incluindo, claro, as doenças neurodegenerativas", conclui Ana Paula.

Publicidade

Publicidade

Blog dos Colunistas