22°C
Erechim,RS
Previsão completa
Euro R$ 4,37 Dólar R$ 3,84
22°C
Erechim,RS
Previsão completa
Euro R$ 4,37 Dólar R$ 3,84

Publicidade

Geral

Natal é sinônimo de família

Essa é uma data importante para reunir os familiares e manter os ensinamentos dos pais e praticar a religiosidade

Mario Koproski
Por Ígor Dalla Rosa Müller
Foto Ígor Dalla Rosa Müller

Uma das maneiras de enfrentar as dificuldades da vida para a família Koproski foi fortalecer a família. Mario Koproski tem uma agroindústria em Erechim e trabalha há 40 anos nesse setor. É natural de Mirim, Severiano de Almeida, e vem de uma família pobre, com seis irmãos e pouca terra para trabalhar. Desde criança Mario já ajudava na roça a produzir o sustento da casa. Ele conta que trabalhar era rotina da família, até mesmo no Natal. Não ganhava presente, por outro lado não faltava comida na mesa.

Apesar das dificuldades, no dia de Natal a família reunia os parentes e amigos. Sempre iam à igreja, à missa. “Naquele tempo tudo era difícil, mas mesmo assim se reunia a família”, comenta.  

Segundo Mario, a família vem sempre em primeiro lugar, esse é o ensinamento mais importante, assim como a religiosidade, muito presente na família Koproski.   

Mario é casado e tem duas filhas e até hoje cultiva e mantém junto com seus irmãos a união familiar. “Mantemos o ensinamento dos pais em reunir a família todos os anos”, explica.

Os pais não estão mais presentes, mas mesmo assim os irmãos Koproski juntam as famílias na casa de um deles, em diferentes cidades, cada um leva um pouquinho e fazem o Natal.  

“A família é muito importante para vencer as dificuldades e vem em primeiro lugar. Se a família não é importante então o que é? Para conseguir as coisas, vencer na vida, tem que ser unido”, afirma. E acrescenta, “o que adianta ter dinheiro se as pessoas não são unidas, se não tem amigo, se não tem comunidade? Não tem sentido se fechar dentro de casa e viver cada um para si. Isso não pode ser assim”.

Para Mario, manter os laços familiares é o mais importante, não adianta ter dinheiro se não tem saúde e família. “Vai tudo a breca”, afirma. Além disso, é preciso praticar a religiosidade.

Publicidade

Blog dos Colunistas