25°C
Erechim,RS
Previsão completa
0°C
Erechim,RS
Previsão completa

Blog do Dad Squarisi

Dad

Preço do café

Por Dad Squarisi

Recado

“Escrevo como se estivesse fazendo carinho em mim.”

Bartolomeu Campos Queirós

Quem aguenta? Nosso rico cafezinho dá um susto atrás do outro. Há 11 meses pôr o pretinho na xícara exige mais e mais notas da nossa desvalorizada moeda. Mas a dor não se restringe ao bolso. Afeta também os ouvidos. Repórteres de tevês abertas e fechadas, de rádios AM e FM, de jornalões e jornalinhos anunciam que “o preço do café está mais caro”. Uiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii! É otite na certa.

Caro e barato, alto e baixo

Preço caro? Nem pensar. É redundância. Caro e barato encerram a ideia de preço. Produtos e serviços são caros ou baratos. Preço é alto, baixo, elevado. A moçada mereceria banda de música e tapete vermelho se desse a informação assim: O preço do café está mais alto. Também poderia ser assim: O café está mais caro.

Último adeus

O cineasta e jornalista Arnaldo Jabor nos deixou. Aos 81 anos, voltou pra casa. Admiradores, parentes e amigos se despediram do corpo no Museu de Arte Moderna. Muitos falaram em “último adeus”. Alguns se perguntaram se a duplinha era pleonasmo.

Há despedidas e despedidas. Nas mais curtas, dizemos tchau, até já, até logo, até logo mais. Nas médias, até à vista. Nas compridonas, adeus. Durante a vida, podemos dar vários adeuses à mesma pessoa. Na morte, damos o último. Não é pleonasmo.

Com ou sem crase?

Bolsonaro foi à Rússia? Bolsonaro foi a Rússia? Ocorre crase ou não? A resposta está com o artigo. Cidades, estados e países são cheios de caprichos. Ora dão vez ao grampinho. Ora não. No aperto, a gente chuta. O resultado é um só. A Lei de Murphy, gloriosa, pede passagem. O que pode dar errado dá.

Versinho

Como safar-se? Há saídas. Uma delas: seguir o conselho dos políticos. “Para vencer o diabo”, dizem eles, “convoque todos os demônios.” Um demoniozinho se chama troca-troca. Construa a frase com o verbo voltar. Depois, substitua o ir pelo indiscreto voltar. Por fim, lembre-se da quadrinha:

Se, ao voltar, volto da,

crase no a.

Se, ao voltar, volto de,

crase pra quê?

Viu? O da – casamento da preposição de com o artigo — denuncia a presença do a. Vamos ao tira-teima:

Bolsonaro voltou da Rússia.

Se, ao voltar, volto da, crase no a. O artigo dá a vez ao acento.

Bolsonaro foi à Rússia.

O presidente foi a Petrópolis.

O presidente voltou de Petrópolis.

Se, ao voltar, volto de, crase pra quê? Xô! A regra não tem exceção.

A diferença

Os organizadores suspenderam a temporada de cruzeiros até 4 de março. O prejuízo é de R$ 350 milhões – “número vultuoso”, segundo a CNN. Bobeou. Vultuoso, com u, significa atacado de vultuosidade (congestão facial). O comentarista quis dizer vultoso (alto, elevado). Moral da história: parecido não é igual.

Por falar em parecido...

Muita gente pensa que o verbo enfezar tem a ver com fezes presas, a conhecida prisão de ventre. A razão: a pessoa que não consegue fazer cocô fica irritadiça, chata, enjoada, enfezada. Mas, entre os mitos da etimologia e a etimologia real, há senhora diferença. O verbo vem do latim infensare – ser raivoso, ser hostil. Nada a ver com fezes.

Eu quero

O mundo político está em polvorosa. Pululam candidatos à Presidência da República, ao Senado, aos governos estaduais. São muitos pretendentes, poucas as vagas. Os que se lançam se denominam pré-candidatos. Além do resultado da aventura, pinta uma dúvida. Quando usar hífen com o prefixo pré-? A regra é pouco clara. Compare:

Usa-se com tracinho: pré-escola, pré-vestibular, pré-estreia.

Usa-se colado: preaquecer, precogitar, precondição, preexistente.

A saída? Recorra ao dicionário.

Leitor pergunta

Ficar de pé ou ficar em pé?

Célio Dutra, Recife

Tanto faz. Uma forma e outra dão uma canseiiiiiiiira. Em ambas, pé fica no singular.

Blog dos Colunistas

Publicidade

Horóscopo

Capricórnio
22/12 até 20/01
SEX - Este pode ser um dia muito produtivo e lucrativo para...

Ver todos os signos

Publicidade