14°C
Erechim,RS
Previsão completa
0°C
Erechim,RS
Previsão completa

Blog do Coluna do Leitor

Arquivo Historico

Conjecturas sobre Arquivos, Memória e Identidades

Por Coluna do Leitor

Por Henrique Antônio Trizoto - Doutorando em História UPF

Coord. AHM Juarez Miguel Illa Font

A muito tenho pensado em escrever sobre a relação entre os Arquivos, a Memória e as Identidades. Esta talvez seja uma das incursões mais sérias e complexas que farei nesta coluna. Ao tecer uma análise da minha primeira passagem enquanto coordenador do Arquivo (2013-2016), percebo que não compreendia a dimensão da tarefa que estava incumbido. Após um período sabático e por consequência afastamento do espaço (2017-2020), volto em 2021 para uma nova empreitada.

            Talvez agora, e só agora compreenda (espero não soar presunçoso) a dimensão e a importância de gerir um espaço que antes de mais nada é o resultado da correlação de forças entre o binômio lembrar x esquecer. Aos leitores que ficaram inquietos com a afirmação, não se preocupem, essa inquietação me acompanha diariamente. Afinal, pesquisadores e pesquisadoras procuram o espaço com o intuito de confirmar suas hipóteses e, ou, dar escopo aos seus objetos de pesquisa, todavia nem sempre será possível.

            A primeira conjectura nos leva analisar a relação entre passado e presente, partindo do pressuposto que “de forma inequívoca, que o passado é construído segundo as necessidades do presente, chamando a atenção para os usos políticos do passado” (FERREIRA, 2018, p.85). Nesta seara, “o historiador é levado a explicitar de onde ele fala, a tornar mais transparente seu ofício, suas ferramentas, seu andaime, ou todas as mediações que lhe permitem a construção de sua trama. O desvio historiográfico é, nessas condições, indispensável” (DOSSE, 2012, p. 24).

            É interessante salientar que os elementos que constituem a memória são importantes “na medida em que nos ajudam a compreender sua força e o seu poder, pois, a partir desses elementos, ela realiza um esforço de unidade física dos membros que compartilham lembranças singulares” (POLLAK, 1992, p. 204). O que nos remete à ideia que eles “são também um fenômeno socialmente construído, o que também nos permite afirmar que a memória e a identidade são valores disputados em conflitos sociais” (POLLAK, 1992, p. 204).

            Nesta ótica, assumimos que a história cultural nos fornece escopo teórico para ressaltar a importância dos Arquivos para o ofício do historiador / pesquisador interdisciplinar, tendo em vista que eles surgem da necessidade “de regular as relações comerciais, determinar a presença do Estado, registrar os processos de dominação dos povos, controlar a informação sobre a sociedade e assegurar a propriedade promoveu a criação dos arquivos e, principalmente, dos arquivos públicos” (OLIVEIRA, 2010, p. 32). E por consequência, a análise destes documentos ajuda a escrever / reescrever a trajetória de acontecimentos e de suas personagens.

            Assim, os Arquivos são espaços que não se restringem a acondicionar documentos que saíram da condição de corrente para a de permanente, eles carregam elementos construtivos de uma sociedade em um determinado período de tempo. Os arquivos, nesse viés, “adquirem uma nova postura, não apenas de guardião da memória, mas, sobretudo, como um espaço de referência da produção do conhecimento, que incita a efervescência da informação de maneira dinâmica e atualizada” (BARROS; AMÉLIA,2009, p. 57).

            Continua...

 

Referências

BARROS Dirlene Santos; AMÉLIA Dulce. Arquivo e memória: uma relação indissociável. TransInformação, Campinas, 21(1): p. 55-61, jan./abr., 2009.

DOSSE, F. História do Tempo Presente e Historiografia. In: LAPUENTE, R. S.; GANSTER, R.; ORBEN, T. A. (Orgs.). Diálogos do tempo presente: historiografia e história. Porto Alegre, RS: Editora Fi, 2017.

FERREIRA, Marieta de Moraes. Notas iniciais sobre a história do tempo presente e a historiografia no Brasil. Revista Tempo e Argumento, v. 10, n. 23, p. 80-108, 2018.

OLIVEIRA, Lucia Maria Velloso de. Descrição e pesquisa: reflexões em torno dos arquivos pessoais. Rio de Janeiro: Móbile, 2012.

POLLAK, M. Memória, esquecimento, silêncio. Revista Estudos Históricos, RJ, v.2, n.3, p. 3-15, jun. 1989.

Blog dos Colunistas

Publicidade

Horóscopo

Câncer
21/06 até 21/07
QUA - Os astros estão em ritmo de festa e você...

Ver todos os signos

Publicidade