0°C
Erechim,RS
Previsão completa

Blog do Gilberto Jasper

O desafio da profissão

Por Gilberto Jasper

Especialista dizem que muitos pais têm a tendência de transferir suas frustrações aos filhos. E que isso é mais evidente na escolha da profissão. Argumentam que há um direcionamento para que os herdeiros sigam a trajetória paterna/materna. Muitas vezes isso acontece até de maneira inconsciente, fruto da nossa experiência em determinado segmento.

Esta propensão também provoca muitos conflitos quando não há compreensão mútua. Pertenço a uma geração que desconhecia o que chamo de "direito à réplica" com os pais. Não havia sugestões, apenas ordens e a nós, crianças e jovens nascidos na década de 60 e anteriores, restava obedecer sem objeções.

Meu pai foi contador e sócio de uma empresa de bebidas. Trabalhou duro por mais de 30 anos e nos deixou jovem, aos 52 anos. Hoje vejo que era normal ele querer que eu assumisse seu lugar na firma. Afinal, foram décadas sem finais de semana e feriados, trabalhando duro, reinvestindo os parcos lucros.

Conformado que minha vocação estava longe dos negócios o velho Giba queria me transformar em funcionário do Banco do Brasil. Fiz dois cursinhos preparatórios. Estudava em São Leopoldo, na Unisinos, até o meio-dia de sábado, viajava duas horas até Lajeado e estudava das 14h às 19h. Prestei dois concursos e sabotei ambos ao errar propositalmente as poucas questões cuja resposta sabia.

Foram tempos duros em que meu pai insistia para que tivesse "uma profissão com futuro" porque via no jornalismo um mercado difícil. Pressionado, tive consciência de que era preciso ser ao menos razoável na profissão escolhida. Por ironia tornou-se colunista de jornal e comentarista político de rádio em períodos eleitorais.

Na minha casa, de quatro pessoas, apenas minha filha não é jornalista. Imagino a pressão que sentiu. Não bastasse a tentativa inconsciente de direcionar os filhos ela sofre como "exceção" familiar.

Ver os filhos felizes, realizados e aptos a garantir o sustento é o sonho de todo pai e mãe. Ao contrário da minha geração, hoje a gurizada tem uma infinidade de alternativas. Surgiram inúmeras profissões, outras foram extintas, a maioria resultado da onipresença da tecnologia. É difícil acompanhar a escolha dos descendentes sem interferir. A ansiedade, as dúvidas e até a depressão causada pela opressão da busca por uma carreira exige diálogo, sensibilidade e parceria para evitar uma sucessão de conflitos.

Não é fácil ficar alheio, mas é preciso resistir à tentação de influenciar excessivamente, sob pena de condicionar uma opção que pode gerar desgosto, frustração e desencantamento. O bom senso, como sempre, está no equilíbrio. Saudável, mas nem sempre fácil.

Blog dos Colunistas

Publicidade

Horóscopo

Libra
23/09 até 22/10
Talvez você tenha que cumprir uma tarefa que...

Ver todos os signos

Publicidade