18°C
Erechim,RS
Previsão completa
0°C
Erechim,RS
Previsão completa

Publicidade

Saúde

refluxo.jpg

Doença do refluxo pode estar associada ao agravamento de casos de covid-19

Por Assessoria de imprensa
Foto Divulgação

Mesmo com o surgimento de uma vacina contra a doença responsável pela maior pandemia do século 21, com 1,8 milhão de mortes e a infecção de mais de 80 milhões de pessoas mudo afora, a covid-19 ainda continua desafiando a rotina de médicos e pesquisadores da área de saúde em relação a seu agravamento associado a outras patologias.

Um estudo recente, ainda sem revisão pela comunidade científica, mas que foi desenvolvido por pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP) e do Instituto de Biologia da Universidade Estadual de Campinas (IB-Unicamp), sugere que distúrbios digestivos como o refluxo gastroesofágico e a síndrome de Barrett podem estar associados a um risco aumentado de morte por covid-19. "Nossos dados sugerem que a alteração no pH do tecido esofágico poderia favorecer um aumento da carga viral nesses pacientes", comenta o professor, Helder Nakaya. Médicos especializados no tratamento de doenças do sistema gastrointestinal afirmam que, embora o estudo ainda não tenha sido revisado, não deixa de ser uma importante contribuição para descoberta de novas comorbidades associadas ao agravamento da covid-19.

Sintomas gastrointestinais

De acordo com o cirurgião do aparelho digestivo, especialista em endoscopia digestiva e professor, Eduardo Grecco, o estudo em questão tem total coerência, pois, segundo ele, demonstra as marcação dos receptores da angiotensina, o ACE2 - gene responsável pela entrada do novo coronavírus na célula. Ele lembra que há outras pesquisas no mundo que apontam para esse mesmo tipo de comorbidade em relação ao covid-19.  “Temos registros de muitos pacientes com coronavírus que iniciam com sintomas gastrointestinais. E se a pessoa possui refluxo, ela terá um processo inflamatório ali no esófogo, com isso esta pessoa terá em seu organismo uma presença maior dessa enzima (ACE2), que irá facilitar a entrada do vírus”, destaca o médico.

Para o médico Flávio Heuta Ivano, que é membro titular da Sociedade Brasileira de Endoscopia Digestiva (SOBED), o estudo desenvolvido pela USP e pelo IB-Unicamp é mais uma contribuição importante para tentar sanar um enorme conjunto de dúvidas e desafios ainda trazidos pelo novo coronavírus. “A covid-19 é uma doença muito nova e não sabemos ainda muito qual é a sua fisiopatologia, por isso todo estudo é válido. Se houver comprovação desta associação [ao refluxo], será mais uma comorbidade que pode complicar a covid-19, assim como já se demonstrou em relação à obesidade, à diabetes, hipertensão e cardiopatias crônicas”, destaca o especialista.

Contribuição médica

O gastroenterologista e membro titular da Sociedade Brasileira de Endoscopia Digestiva, Hugo Gonçalo Guedes, lembra que muitos desses estudos científicos realizados no período da pandemia, são frutos de constatações e levantamentos feitos pelos profissionais médicos que estão na linha de frente do combate à pandemia. “No caso da covid-19, as hipóteses estão surgindo após análises retrospectivas de associação. Pega-se uma turma de pacientes que teve a doença, documenta todos os detalhes da evolução da patologia em prontuário e tenta associar com o desfecho. Em pacientes que tiveram um determinado desfecho, avalia-se qual a característica ou características eles têm em comum. Com isso levanta-se uma hipótese que, obviamente, deverá ser provada estatisticamente e cientificamente. E assim nós médicos contribuímos para esses estudos que a cada dia descobrem novidades sobre essa nova doença”, explica o médico.