Publicidade

Saúde

Otimização das ocupações e ginástica laboral ajudam na prevenção de doenças no trabalho

Médica aponta providências direcionadas ao bem-estar de colaboradores

labor.jpg
Por Assessoria de Imprensa
Foto Divulgação

Médica aponta providências direcionadas ao bem-estar de colaboradores

A aplicação da ergonomia, conhecida como otimização das condições de trabalho, e a adoção de exercícios laborais estão entre as medidas adotadas para amenizar os índices de lesões causadas por esforço repetitivo (LER). As patologias, de acordo com a médica do trabalho, sócia da Associação Médica do Rio Grande do Sul (AMRIGS), Ieda Lichtenberg, acompanhadas pela perda de audição induzida por ruído e pelo estresse, são as mais proeminentes atualmente. No entanto, ela destaca que existem doenças para cada tipo de atividade ao exercê-la de forma incorreta.

- Quando não se utilizam os protetores auriculares, corre-se o risco de perda auditiva. Dependendo do grau da lesão por esforço repetitivo, as condutas terapêuticas variam entre o afastamento temporário da função, fisioterapia e cirurgia. Em casos extremos o trabalhador é aposentado – explica Ieda.

A médica relata que frente ao grande registro de casos de patologias, muitas empresas passaram a investir na ginástica laboral e, dependendo da função e da área de atuação corporal comprometida, os empregadores também têm intensificado os cuidados com a ergonomia. Este conceito está relacionado à adaptação do posto de trabalho de acordo com a característica de quem o ocupará para garantir bem-estar e saúde ao colaborador.

- Há, ainda, as atividades que levam à estafa, devido à sobrecarga e cumprimento de metas e prazos, o que pode causar problemas sérios. Temos registrado muitas internações em hospitais psiquiátricos provocados por estresse – complementa a associada da Amrigs.

Porém, apesar das medidas adotadas pelas empresas e das intervenções médicas, ainda há obstáculos que não estão na alçada das organizações e médicos. Ieda relata que o trabalhador muitas vezes é leigo e não ouve as recomendações para evitar patologias, o que ocorre principalmente na construção, onde o risco e a exposição do colaborador são maiores.

Leia também

Publicidade

Blog dos Colunistas